Américas

Na Assembleia Geral da ONU, líderes trocam acusações sutis

Evento ocorre de forma virtual e discute futuro da ONU; Trump, Xi, Putin e Bolsonaro enviaram discursos gravados

Em vídeos gravados na edição deste ano da Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas), os três líderes das maiores potências do mundo – China, Estados Unidos e Rússia – fizeram discursos pró e contra o multilateralismo, com troca de acusações.

Em uma fala de apenas sete dos 15 minutos disponíveis, na segunda (21), o presidente norte-americano Donald Trump apelou para que as Nações Unidas se concentrem nos “reais problemas do mundo”. Segundo Trump, essa é a “única forma de a organização ser eficaz”.

O líder dos EUA também responsabilizou a China como a principal disseminadora do novo coronavírus. A Covid-19 seria o “vírus da China” e Beijing é o “controlador virtual da OMS (Organização Mundial da Saúde)”.

Da Covid-19 aos 'problemas reais', líderes falam em Assembleia Geral da ONU
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em pronunciamento na 75ª Assembleia Geral da ONU em 21 de setembro de 2020 (Foto: UN Photo/Rick Bajornas)

Depois de atacar a OMS, Trump anunciou a saída dos EUA de forma unilateral da organização.

Logo depois do discurso de Trump, o embaixador da China na ONU, Zhang Jun, rejeitou as provocações. “São acusações infundadas”, disse. Zhang foi o representante do presidente chinês, Xi Jinping.

Sem citar Trump, Xi não cedeu foi enfático. “Nenhum país deve dominar os assuntos globais, controlar o destino de outros ou manter as vantagens do desenvolvimento só para si”, disse Xi.

China e EUA vivem embate comercial e político que se intensificou desde o início da pandemia. É o ponto mais baixo das relações bilaterais desde a retomada dos laços, em 1971.

O presidente chinês ainda rejeitou a responsabilização chinesa sobre a Covid-19. “Qualquer tentativa de politização do tema, ou estigmatização, deve ser rejeitada”, pontuou.

Xi apontou que os países devem respeitar a “escolha independente quanto ao seu modelo de desenvolvimento” e reiterou o papel da ONU no núcleo do multilateralismo. “Essencial”, afirmou.

O presidente da China, Xi Jinping, faz seu pronunciamento na 75ª Assembleia Geral da ONU, em 22 de setembro de 2020 (Foto: UN Photo/Eskinder Debebe)

No mesmo tom, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, defendeu nesta terça (22) a importância da OMS e ofereceu a vacina russa Sputnik V para distribuição gratuita a todos.

Putin ainda argumentou que o Conselho de Segurança da ONU deve ser “mais inclusivo” e abranger os interesses de “toda comunidade global”. O líder do Kremlin ainda exortou todos os integrantes do conselho a se reunirem “o mais breve possível”.

‘Estamos abertos ao 5G desde que respeitem nossa soberania’, diz Bolsonaro

Em seu discurso nesta terça (22), o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, sinalizou potencial para investimentos internacionais, mas tergiversou sobre o 5G, tecnologia para dispositivos móveis.

A empresa Huawei, da China já foi rejeitada por países como EUA e Reino Unido, temerosos do compartilhamento de informações sensíveis de seus países com o governo chinês.

Bolsonaro afirmou que fará negócios “com parceiros que respeitem a soberania e prezem pela liberdade e proteção de dados“, cutucando os chineses.

O presidente brasileiro ainda afirmou que a mídia do país “politizou” o vírus e semeou o pânico na população. “Sob os lemas ‘fique em casa’ e ‘vamos lidar com a economia mais tarde’, eles quase trouxeram o caos social para o país”, pontuou.

A Assembleia Geral da ONU segue até o dia 1 de outubro e acontece 100% online.