Presidente da Sérvia aceita, sem querer, abrir embaixada em Jerusalém

Câmeras registraram reação de Aleksandar Vucic ao perceber que havia assinado promessa de transferência
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

As câmeras registraram o momento em que o presidente sérvio, Aleksander Vucic, percebe que acaba de se comprometer a mudar a sua embaixada para Jerusalém até julho de 2021.

Em encontro na sexta (4) com o governo do Kosovo, mediado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, o mandatário se deu conta da exigência apenas após a assinatura do documento.

Pelo documento, Sérvia e Kosovo concordaram em estabelecer relações diplomáticas com Israel. Até a abertura da embaixada, os sérvios criarão um escritório de representação, registrou o jornal israelense “Haaretz”.

Ainda que não seja parte da UE (União Europeia), a Sérvia seria o primeiro país europeu a abrir embaixada em Jerusalém – se o governo prosseguir com a promessa. Os EUA presidiram as negociações, assim como na normalização das relações entre Israel e os Emirados Árabes.

A Sérvia já havia acusado o governo norte-americano de, discretamente, incluir uma cláusula de reconhecimento mútuo entre os dois países, rejeitada de forma imediata por Vucic e os representantes de Belgrado.

Questão kosovar

O primeiro-ministro de Kosovo, Avdullah Hoti, também concordou em abrir uma embaixada em Jerusalém, segundo anúncio do presidente norte-americano Donald Trump.

A tentativa de estabelecer qualquer relação – diplomática ou econômica – com Kosovo se desenrola há anos em Israel, sem sucesso. Tel Aviv ainda não reconheceu a independência do país dos Bálcãs, que se separou da Sérvia de forma unilateral em 2008.

Em seu pronunciamento, o premiê israelense, Benjamin Netanyahu, afirmou que Kosovo é o primeiro país com maioria muçulmana a aderir ao movimento. “O círculo de paz e reconhecimento de Israel está se ampliando e outras nações devem se juntar a ele”, disse Netanyahu.

Com a ampliação das negociações ancorada pelos Estados Unidos, a comunidade palestina teme perder mais território.

Outros países, como o Catar, já anunciaram que a solução de um Estado palestino é essencial para a continuidade das negociações.

A Arábia Saudita, que na última semana permitiu voos israelenses em seu espaço aéreo, em público também insiste na questão. “As posições do Reino em relação a causa e ao povo palestino são fixas e firmes”, disse Faisal bin Farhan, ministro das Relações Exteriores saudita.

Tags: