África

ONU: Fome já afeta 246 milhões de africanos

Pandemia expôs brechas dos sistemas alimentares na África; Madagascar viu dobrar desnutrição aguda em crianças

Este conteúdo foi publicado originalmente no portal ONU News, da Organização das Nações Unidas

Instituições parceiras que intervém na área de desenvolvimento em África alertam para a situação de cerca de 246 milhões de pessoas correndo risco de passar fome. A situação ocorre apesar dos ganhos positivos e contínuos na economia em muitos países. 

Esta quinta-feira, o Diálogo de Alto Nível sobre Alimentação da África juntou instituições regionais e de pesquisa, líderes empresariais, setor privado, agências de investimento, academia, sociedade civil e especialistas. 

A análise de dados sobre o continente realça que a situação da pandemia Covid-19 expôs fissuras nos sistemas alimentares do continente, que já estava sob pressão da mudança climática, conflitos e pragas. 

ONU: Fome já afeta 246 milhões de africanos
Mulher caminha até 14 quilômetros por dia para encontrar água em Madagascar (Foto: Unicef/Safidy Andrianantenain)

Para o grupo de instituições, é necessário aumentar investimentos e parcerias com urgência para promover a transformação agrícola da África através da tecnologia e inovação.  

Na ocasião, o presidente do Fundo da ONU para Agricultura, Fida ou Ifad, Gilbert Houngbo, defendeu a promoção de sistemas alimentares como o motor de crescimento do continente africano. 

Entre os organizadores do evento “Alimentando a África: Líderes Impulsionando Inovações de Sucesso” também estão o Banco Africano de Desenvolvimento, o Fórum para Pesquisa Agrícola em África e a Organização do Sistema Cgiar. 

Madagascar  

Participaram chefes de Estado africanos, altos funcionários de governos e líderes de bancos multilaterais de desenvolvimento. 

Um dos exemplos da crise é Madagascar, onde centenas de milhares de africanos estão à beira da fome. Num alerta feito em separado, o Programa Mundial de Alimentos aponta um aumento contínuo de taxas de desnutrição aguda. 

 A agência apela a uma ação urgente para ajudar a ilha do Oceano Índico a enfrentar a crise humanitária onde grande parte dos distritos do sul vive uma emergência nutricional. 

Desnutrição aguda  

A Desnutrição Aguda Global em crianças menores de cinco anos quase subiu para o dobro nos últimos quatro meses. O índice de fome entre os africanos atingiu 16,5%, de acordo com uma avaliação recente realizada pelo Ministério da Saúde. 

Crianças estão em maior risco em áreas como Ambovombe, onde a taxa ultrapassou 27%. A situação coloca em risco a vida dos menores porque são quatro vezes mais propensas a morrer do que as crianças saudáveis.