Ásia e Pacífico

Pesqueiros chineses irregulares são avistados na fronteira marítima entre as Coreias

Coreia do Sul tenta solucionar o problema há anos, e recentemente decidiu colocar drones e inteligência artificial no combate à pesca ilegal

Centenas de barcos pesqueiros chineses foram avistados perto da Linha de Limite Norte, que demarca a fronteira marítima entre a Coreia do Sul e a Coreia do Norte, no Mar Amarelo, reportou nesta sexta (28) a agência de notícias ANI

As embarcações operam ilegalmente na região há anos, dizimando espécies e causando incalculável prejuízo ambiental. 

Um dos principais pontos de atuação ilegal dos pescadores fica ao norte da ilha sul-coreana de Yeonpyeong, onde a pesca de caranguejos é habitual. Por lá, houve uma pausa de cerca de um ano na atividade, durante o ápice da pandemia de Covid-19 na China. Mas os barcos já reapareceram. 

Pesqueiros chineses irregulares são avistados na fronteira marítima entre as Coreias
Barcos da ONU e da Coreia do Sul em treinamento para combater a pesca ilegal (Foto: Reprodução/Facebook)

Sob a promessa de liquidar de vez com a pesca por parte dos chineses, a Coreia do Sul anunciou nesta semana que usará drones e inteligência artificial para rastrear as embarcações ilegais.

Japão ajuda Indonésia no Mar do Sul da China 

Enquanto a Coreia do Sul combate os pescadores chineses no Mar Amarelo, o Japão concedeu um navio de patrulha à Indonésia para prevenir a pesca ilegal do gigante asiático no Mar do Sul da China, nesta segunda-feira (24). 

Conforme a agência japonesa Kyodo News, esta já é a segundo embarcação de patrulha fornecida pelo Japão. A Indonésia protesta contra a operação ilegal de navios de pesca chineses ancorados nas proximidades das ilhas Natuna. A área está acima da linha de “nove traços” da China, uma ampla região reivindicada por Beijing. 

 Além da Indonésia, a insistente presença de embarcações chineses em ilhas das Filipinas já desencadeou uma crise diplomática entre Beijing e Manila. Centenas de navios pesqueiros da China estão posicionados na Zona Econômica Exclusiva das águas territoriais filipinas desde abril.