Quem é Jaroslaw Kaczynski, vice-premiê e ideólogo da extrema direita na Polônia

Ideólogo da extrema direita e agora vice-premiê, polonês lidera partido responsável pela erosão da democracia no país
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Ideólogo do partido ultraconservador que hoje domina a política da Polônia, Jaroslaw Kaczynski foi escolhido no último dia 30 como vice-premiê do país. O líder terá sob suas responsabilidades a supervisão de ministérios considerados estratégicos, como Justiça, Interior e Defesa.

A escolha de Kaczynski, fundador do partido PiS (Prawo i Sprawiedliwość, ou Lei e Justiça em português) e primeiro-ministro entre 2006 e 2007, fortalece o governo de extrema direita em torno de sua figura.

Em maio deste ano, o PiS garantiu mais um mandato após a reeleição de Andrzej Duda. Mas, nos bastidores, Kaczynski já era considerado um dos governantes de facto da Polônia.

Quem é Jaroslaw Kaczynski, o gêmeo mais radical que tomou a política na Polônia
Jaroslaw Kaczynski em conferência no Parlamento polonês, em abril de 2017 (Foto: Sejm/Governo da Polônia)

No auge da pandemia, o pleito deste ano ocorreu por correio. Se perdesse, – contra o prefeito de Varsóvia e liberal moderado Rafal Trzaskowski – Duda e o PiS não seriam capazes de manter sua coalizão com o ainda mais radical Polônia Unida, de Zbigniew Ziobro, que controla a pasta da Justiça.

O PiS, partido criado em 2001 por Kaczynski e seu irmão gêmeo Lech, morto em 2010, tem como principais bandeiras o nacionalismo, o conservadorismo social e a xenofobia.

A agremiação também tornou-se notória pelo intervencionismo econômico e pela orientação fortemente católica, acompanhada da recusa de direitos a minorias, sobretudo os LGBT.

Endurecimento institucional

O Judiciário tem sido o principal meio para a realização de reformas centralizadoras do poder, por isso tornou-se um dos ministérios mais disputados nas altas esferas de comando polonesas.

Nos primeiros anos de governo, as mudanças – que na prática diminuíam a capacidade do Judiciário de servir como contrapeso ao Executivo e ao Legislativo – geraram uma crise com Bruxelas.

Para a UE, à qual o país se juntou formalmente em 2004, as emendas representavam uma deterioração democrática que punha em risco a manutenção da Polônia no bloco.

Apenas um ano depois da integração polonesa à UE, Lech Kaczynski é eleito presidente e forma sua coalizão de extrema direita no país. O PiS foi um dos primeiros partidos da direita populista a chegar ao poder, antes de ganhar espaço em países como a vizinha Hungria, o Brasil, a Colômbia e os EUA.

De onde saíram

Nascidos em 1949, Jaroslaw e seu gêmeo idêntico, Lech, foram estrelas mirins do cinema polonês com o filme “Os Dois Que Roubaram a Lua” (1962). Adultos, ambos tornaram-se doutores em Direito: Jaroslaw pela Universidade de Varsóvia e o irmão, por Gdansk.

O perfil dos irmãos era o mais à direita possível: profundamente católicos, ultranacionalistas, críticos frequentes da UE (União Europeia) e forjados como lideranças anticomunistas ainda nos anos do sindicato Solidariedade, na década de 1980.

Voltaram aos holofotes e ganharam espaço a partir de 1989, quando foram eleitos para o Sejm, a Câmara baixa do Parlamento. Em 1993, romperam com Lech Walesa, líder do Solidariedade, sindicato transformado em partido que se tornou o símbolo do anticomunismo polonês.

Em 2001, os irmãos fundaram o PiS usando ativos pelos quais haviam se popularizado. O nacionalismo, a postura divisiva e a hostilidade ao projeto de Bruxelas, ainda que em uma versão mais discreta, foram gradualmente bem acolhidos pela opinião pública polonesa.

Um ano depois da posse de Lech na Presdiência, Jaroslaw é escolhido pelo irmão para o cargo de primeiro-ministro. Fica no cargo por um ano, até 2007, aquando o PiS é derrotado pela Plataforma Cívica, agremiação moderada e pró-Europa, e é forçado a deixar o posto.

Quem é Jaroslaw Kaczynski, o gêmeo mais radical que tomou a política na Polônia
O então presidente Lech Kaczynski em encontro com o mandatário norte-americano, George W. Bush, em imagem de 2007 (Foto: Wikimedia Commons)

Na eleição de 2007, o PiS perde seu eleitorado mais moderado, o que empurrou o partido para as franjas do debate público e para a defesa de posições cada vez mais polarizadoras.

Lech permanece como presidente até sua morte, em 2010, em um acidente aéreo em Smolensk, na Rússia. A comitiva polonesa viajava ao país para um evento em memória do massacre de Katyn, em 1940. Até hoje circulam teorias de que Moscou teria sabotado a aeronave.

A morte repentina de Lech, mais moderado, deixou Jaroslaw sem alguém que oferecesse um contrapeso às suas visões radicais e permitiu uma guinada ainda mais à direita no partido criado pelos irmãos.

Dez anos depois e sem sucessor aparente, o desafio do ideólogo e agora vice-premiê da Polônia será garantir a continuidade de sua agenda radical no cenário político do país.

Tags: