Cresce demanda na África por composto “contra coronavírus”, mesmo após alerta

País afirma que bebida leva a cura e prevenção do novo coronavírus; OMS alerta para falta de evidências científicas
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Mesmo após alertas da OMS (Organização Mundial da Saúde), países africanos vêm aumentando pedidos por um suposto remédio, à base de ervas, que agiria contra o coronavírus. O composto foi lançado em abril em Madagascar, país insular na costa oeste africana.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) alertou que não há evidência da suposta cura prometida pelas autoridades malgaxes. As informações são da agência de notícias Reuters.

O presidente Andry Rajoelina apareceu em rede nacional bebendo o fitoterápico “Covid-19 Organics” que, segundo ele, já teria curado duas pessoas. O suposto medicamento foi desenvolvido pela estatal Instituto Malgaxe de Pesquisa Aplicada.

Remessa do fitoterápico malgaxe enviada a Guiné Equatorial no dia 30 de abril (Foto: Andry Rajoelina/Twitter)

A bebida é feita a partir da planta Artemisia annua, que é usada em medicamentos contra a malária, afirma a OMS, mas a planta em si não trata a doença. No entanto, para a Covid-19, não há nenhum teste científico sólido que embase o uso da planta ou da bebida feita em Madagascar.

Mesmo assim, na última sexta (1º), Rajoelina usou suas redes sociais para agradecer o presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, pela iniciativa de levar o suposto remédio ao seu país. Uma delegação da Tanzânia também já esteve em Madagascar para pegar o produto.

O produto já foi distribuído de forma gratuita para os dois países, além de Guiné Equatorial, Congo e Libéria. Um assessor jurídico do presidente informou à reportagem que agora a garrafa da bebida será vendida no país por 40 centavos de dólar norte-americano.

Onde fica Madagascar (Foto: Reprodução/Google Maps)

Tags: