No Quênia, governador inclui conhaque “contra” vírus na cesta básica

Governador de Nairóbi incluiu minigarrafas de conhaque Hennessy no kit de produtos para "combater" coronavírus
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

A distribuição de minigarrafas do conhaque Hennessy na cesta básica foi uma das políticas contra o coronavírus empregadas por Mike Sonko, governador da região de Nairóbi, no Quênia, onde fica a capital do país. A medida já foi revogada.

A bebida foi apelidada de “desinfetante de garganta” por Sonko, segundo a revista britânica “The Economist”. O governador afirmou em um vídeo que incluiria as garrafas porque “o álcool mata o coronavírus e outros vírus”.

O governador Mike Sonko e suas cestas básicas com conhaque (Foto: Reprodução/Nairobi News)

A afirmação foi desmentida pela OMS e pela própria Hennessy, segundo a CNN. “Reiteramos que o consumo da nossa marca ou de qualquer outra bebida alcoólica não protege contra o vírus”, diz o comunicado emitido pela empresa.

O queniano não foi o único mandatário na África a desafiar as instruções das entidades de saúde com líquidos supostamente curativos, informou a “The Economist”.

O guineense Alpha Condé indicou água quente e inalação de hortelã para prevenir a população. Em Madagascar, ilha ao leste do continente africano, o presidente Andry Rajoelina prometeu “mudar o curso da história” com um remédio à base de ervas da região.

Há quem apele às instâncias superiores em busca de proteção. Na Tanzânia, país no leste do continente, o presidente John Magufuli não fechou as igrejas porque “é ali onde há verdadeira cura”.

No vizinho Burundi, um porta-voz do presidente Pierre Nkurunziza avisou que o país não estipulou confinamento “porque coloca Deus em primeiro lugar.

Tags: