ONU: Tecnologias emergentes podem ser chave para crescimento na África

Crescente aposta na inclusão digital deve acelerar o processo de ratificação da Zona de Livre Comércio do continente
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Este conteúdo foi publicado originalmente no portal ONU News, da Organização das Nações Unidas

A ECA (Comissão Econômica das Nações Unidas para África) destaca que tecnologias emergentes permanecem chave na promoção do crescimento econômico, transformação e expansão do comércio digital na África.

A conclusão do Comitê do Setor Privado, Industria e Tecnologia consta de um relatório sobre o desenvolvimento da economia digital.  

O documento assinala uma crescente transformação da tecnologia digital em África ao longo dos anos. O continente abriga 11,5% do total de usuários mundiais da internet e o aproveitamento de tecnologias emergentes podem auxiliar a implementação da Zona Continental de Livre Comércio da África.

ONU: Tecnologias emergentes podem ser chave para crescimento na África
Tecnologias emergentes de testagem de solo na Tanzânia (Foto: FAO Tanzânia)

A ECA prevê um aumento de exportação interafricana de produtos industriais de 15 a 25% até 2040 devido à Zona Continental Africana de Livre Comércio, Afctfa. Até janeiro deste ano, 37 países haviam ratificado o pacto assinado por todos exceto a Eritreia.

Houve também um aumento de participação africana em tecnologias como parte da transformação do continente e realização dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável.  

O chefe da Seção de Integração Regional da ECA. Francis Ikome, alertou sobre o apoio na elaboração de estratégia nacional sobre a Zona Afctfa para facilitar o processo de ratificação e das duas fases de negociações.

Segundo ele, a elaboração de quadros regulamentares da Parceria Público-Privada para financiar o desenvolvimento da infraestrutura é fundamental. Ikome ressalta ainda o recurso a fontes de financiamento alternativas, incluindo fundos de patrimônio privado.

Projetos 

A Comissão da ONU afirma que a infraestrutura é um dos principais motivadores do desenvolvimento econômico em África e financiar seus projetos permanece o desafio maior dos estados membros, principalmente na área de eletricidade e energia

Para os especialistas, a inclusão do comércio eletrônico no fortalecimento da mulher, a implementação da Zona de Livre Comércio e os investimentos na ciência, tecnologia e inovação são cruciais para a integração regional e o desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação enquanto vetores da economia digital.

O continente registrou progressos na implementação da agenda de integração regional, não obstante os desafios de ordem financeira, capacidade humana e segurança, lê-se no relatório que aponta resultados mistos com ritmo lento na implementação do protocolo de livre circulação de pessoas

Países sem litoral 

Como recomendação, o documento enfatiza o apoio das sociedades africanas de responsabilidade limitada na implementação do Plano de Ação de Viena dos Países em desenvolvimento sem litoral, e os esforços de integração regional através de avaliação e negociações sobre o processo da Afctfa.

Recomendações incluem o reforço do monitoramento da agenda de integração regional, o aprofundamento do trabalho analítico sobre o impacto e benefícios da Zona Continental de Livre Comércio e o apoio as pesquisas focadas nos impulsionadores basilares da ciência e inovação.

O relatório encoraja ainda as Comunidades Econômicas e estados membros a integrarem o Plano de Ação nos programas com a ECA para impulsionar o comércio interafricano. Outra demanda é sobre o empenho na implementação das respectivas políticas de industrialização.

Tags: