AMLO sugere ‘referendo anticorrupção’ após denúncias na Pemex

Esquema de propinas para caixa dois de campanha, financiado pela Odebrecht, chegou a cinco ex-presidentes
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, propôs na terça (25) um referendo para decidir se a Suprema Corte deve processar os últimos cinco presidentes do país, acusados de corrupção. A informação é do canal TeleSur.

Neste caso, responderiam judicialmente os ex-presidentes Carlos Salinas de Gortari (1988-1994), Ernesto Zedillo (1994-2000), Vicente Fox (2000-2006), Felipe Calderón (2006-2012) e Enrique Peña Nieto (2012-2018).

A acusação é envolvimento em um esquema parecido com o Petrolão, envolvendo a empreiteira brasileira Odebrecht e a estatal Pemex, de petróleo.

AMLO sugere referendo anticorrupção após denúncias na Pemex; brasileira Odebrecht foi envolvida
O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, em primeiro plano (Foto: Wikimedia Commons)

O delator é o ex-diretor-geral da Pemex, Emilio Lozoya. O economista é acusado de corrupção, crime organizado, lavagem de dinheiro e tráfico de influência.

No México, a empresa brasileira pagava propina que abastecia campanhas dos políticos envolvidos e seus partidos. Esquemas semelhantes, com participação da Odebrecht, foram denunciados em toda a América Latina.

De acordo com a legislação mexicana, um referendo pode ser convocado por meio de um abaixo-assinado, com participação de 2% dos eleitores. O presidente e um terço dos legisladores também podem chamar a consulta.

A revista britânica “The Economist” avaliou, em análise para a edição deste sábado (29), que “se fosse sério, [AMLO] recuaria e permitiria uma investigação abrangente e imparcial”. Seria uma forma de criar um “modelo que puna corrupção e desencoraje futuros malfeitos”.

Já a proposta de referendo de AMLO, para a revista, é “incompatível com um Estado de direito”. Em vez disso, seria preciso também fortalecer as instituições mexicanas de compliance estatal para identificar movimentações atípicas.

Tags: