Ásia e Pacífico

Austrália diz que China ‘abriu as portas’ de servidor da Microsoft para invasão hacker

Episódio motiva governo australiano a se juntar-se a EUA, Japão, Austrália e Nova Zelândia contra Beijing

Os ataques cibernéticos contra servidores da plataforma de mensagens Microsoft Exchange, ocorridos em março deste ano, tiveram a China como facilitadora. A alegação foi feita na quinta-feira (29) por Rachel Noble, diretora-geral da agência australiana de inteligência (ASD, na sigla em inglês).

De acordo com Noble, o governo chinês tomou conhecimento de falhas na segurança do sistema e, então, “deixou as portas abertas” para a invasão de hackers.

“Para descrevê-lo em linguagem simples, seria como se as casas e edifícios tivessem fechaduras defeituosas nas portas”, disse a chefe da ASD. “Quando o governo chinês tomou conhecimento dessas fechaduras defeituosas nas portas, ele entrou e manteve todas aquelas portas abertas”.

Rachel Noble durante evento tecnológico na Austrália em 2019 (Foto: reprodução Twitter)

Ao afirmar que as ações foram sancionadas por Beijing, Noble disse que os chineses haviam “cruzado a linha”, motivando a criação de uma força-tarefa para combater a ameaça digital. Já o o secretário para Assuntos Internos da Austrália, Michael Pezzullo, afirmou que tais “ações imprudentes não devem ser toleradas.

De acordo com Noble, a estimativa é de que cerca de 70 mil empresas e organizações na Austrália utilizam um servidor Microsoft Exchange. “Portanto, é um ataque em uma escala extremamente grande e significativa”, observou.

Combate aos hackers

O episódio havia motivado a criação de uma aliança entre Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), UE (União Europeia), Japão, Austrália e Nova Zelândia. Individualmente, o governo australiano também debate a criação de uma legislação para aumentar a proteção do país contra ataques cibernéticos.

Segundo o jornal The Australian Financial Review, se aprovados, os novos poderes darão às agências governamentais o poder de “intervir” quando uma empresa está sob ataque cibernético.

A embaixada chinesa em Camberra rejeitou na semana passada a declaração da Austrália, que alegou ser “sem fundamento”.