Ásia e Pacífico

Opositor do governo turco, professor está desaparecido no Quirguistão

Inandı é aliado do teólogo turco Fetullah Gulen, inimigo político do Presidente da Turquia, Recep Erdogan

O professor Orhan Inandı, fundador de uma rede de escolas no Quirguistão, está desaparecido desde o dia 31 de maio. A suspeita é de que ele tenha sido detido por autoridades turcas com a intenção de conduzi-lo à Turquia, alerta a organização HRW (Human Rights Watch)

Inandı tem dupla nacionalidade e chegou ao Quirguistção na década de 1990. As instituições de ensino fundadas por ele têm como base o pensamento do teólogo turco Fetullah Gulen, inimigo político do Presidente da Turquia, Recep Erdogan

Opositor do governo turco, professor está desaparecido no Quirguistão
Orhan Inandı, opositor do governo turco desaparecido no Quirguistão (Foto: Reprodução/Facebook)

No último domingo (6), a mulher do professor, Reyhan Inandı, levantou a suspeita de que o marido tenha sido levado à embaixada da Turquia em Bishkek, capital do Quirguistão. Segundo ela, o objetivo seria torturá-lo para renunciar à dupla cidadania, facilitando assim a transferência para Ancara.

“Orhan Inandı é um cidadão quirguiz”, disse Syinat Sultanalieva, pesquisadora da HRW na Ásia Central. “O governo do Quirguistão tem a responsabilidade de investigar o desaparecimento, descobrir onde ele está sendo detido e garantir que esteja seguro e não seja levado ilegalmente para a Turquia”. 

Perseguição política 

Nos últimos anos, a Turquia prendeu milhares de pessoas acusadas de ter ligação com Gulen, um teólogo muçulmano que vive nos Estados Unidos e é acusado por Ancara de orquestrar um golpe de Estado contra Erdogan em 2016. 

De acordo com a HRW, muitas dessas prisões aconteceram em solo estrangeiro, em circunstâncias semelhantes às do desaparecimento de Inandi. “São acusações forjadas de terrorismo, numa clara violação do direito a um processo legal”, diz a organização.

Aibek Artykbaev, ministro das relações exteriores do Quirguistão, admitiu neste segunda (7) que a Turquia solicitou a extradição de Inandi, pedido que foi recusado pelo governo local por tratar-se de um cidadão quirguiz. Ele ainda mostrou disposição para investigar o desaparecimento, desde que tenha o aval do ministro do interior.