ARTIGO: Como o Grande Lockdown salvou vidas

Economistas debatem se isolamento do início da pandemia valeu a pena, mesmo com efeitos econômicos negativos
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Este artigo foi publicado originalmente em junho no Blog do FMI (Fundo Monetário Internacional). Foi selecionado por A Referência à luz da segunda onda da doença e como forma de fomentar o debate sobre erros e acertos dos governos na resposta à crise da Covid-19

por Pragyan DebDavide Furceri, do departamento de Estratégia, Políticas e Avaliação e Jonathan D. Ostry e Nour Tawk, do departamento da Ásia e do Pacífico do FMI

Desde que surgiram os primeiros relatos sobre o surto de Covid-19 em Wuhan, China, no fim de dezembro de 2019, a doença se espalhou para mais de 200 países e territórios. Na ausência de uma vacina ou de um tratamento eficaz, os governos de todo o mundo recorreram a medidas de contenção e mitigação sem precedentes em resposta a esta crise – o Grande Lockdown.

Tais medidas, por sua vez, resultaram em perdas econômicas significativas a curto prazo, bem como em um declínio da atividade econômica mundial que não se via desde a Grande Depressão. Valeu o sacrifício?

Nossa análise, com base em uma amostra global, indica que, ao reduzir a mobilidade, as medidas de contenção foram bastante eficazes em “achatar a curva” da pandemia. Por exemplo, as rígidas medidas de contenção tomadas na Nova Zelândia – restrições a aglomerações e eventos públicos adotadas quando o número de casos não passava de um dígito, seguidas do fechamento de escolas e locais de trabalho e, após alguns dias, de ordens para não sair de casa – provavelmente reduziram em mais de 90% o número de vítimas fatais, em comparação a um cenário de referência sem medidas de contenção.

ARTIGO: Como o Grande Lockdown salvou vidas
Alerta de lockdown da África do Sul, que pôs em prática um isolamento rigoroso, em imagem regisatrada no início da pandemia (Foto: Wikimedia Commons)

Por outras palavras, em um país como a Nova Zelândia, o número de mortes confirmadas por Covid-19 teria sido dez vezes maior se não fosse pelas rigorosas medidas de contenção.

A intervenção e a contenção precoces, quantificadas pelo número de dias que se passaram até um país impor medidas de contenção após um surto significativo – no jargão epidemiológico, o tempo de resposta da saúde pública – tiveram um papel significativo no achatamento da curva. Países como o Vietnã, que adotaram mais rapidamente medidas de contenção, viram o número médio de infeções e óbitos cair 95% e 98%, respectivamente. Isso, por sua vez, estabeleceu as bases para o crescimento a médio prazo.

O efeito das medidas de contenção também variou segundo as diferentes características nacionais e sociais. O impacto foi maior nos países em que as temperaturas mais baixas durante o surto produziram taxas de infecção mais elevadas e naqueles com populações mais velhas e, assim, mais vulneráveis a infecções. Por outro lado, fatores como um sistema de saúde forte e menor densidade populacional aumentaram a eficácia das estratégias de contenção e mitigação ao facilitar a aplicação e fiscalização das medidas.

A resposta da sociedade civil às restrições de jure também foi importante. Os países cujas medidas de isolamento resultaram em menor mobilidade e, por conseguinte, maior distanciamento social, conseguiram reduzir mais o número de infecções e mortes por Covid-19.

Por último, exploramos se o efeito da contenção varia de acordo com o tipo de medida. Muitas dessas medidas foram introduzidas simultaneamente como parte da resposta do país para limitar a disseminação do vírus, o que dificulta a identificação da medida mais eficaz.

Contudo, nossos resultados sugerem que, embora todas as medidas tenham contribuído para reduzir consideravelmente o número de casos e mortes por Covid-19, as ordens para ficar em casa parecem ser tido relativamente mais eficazes.

Nossas estimativas empíricas fornecem uma avaliação razoável do efeito causal das políticas de contenção sobre o número de infecções e mortes, o que nos dá o conforto de saber que, apesar de seus enormes custos econômicos a curto prazo, o Grande Lockdown salvou centenas de milhares de vidas. Em última análise, o curso da crise sanitária mundial e o destino da economia global são indissociáveis – combater a pandemia é uma necessidade para que a economia se recupere.

Tags: