Crise no setor de transportes aumenta custos para comércio internacional

Até 31% dos custos de bens e serviços dependem do setor de transportes; emergentes são os mais prejudicados
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

A incerteza gerada pela pandemia e a crise no setor de transportes estão elevando os custos do comércio internacional de bens e serviços. A análise está no novo relatório da OMC (Organização Mundial do Comércio), publicado no dia 13.

A estimativa é que entre 15% e 31% dos custos de bens e serviços estejam atrelados aos gastos com transportes. Enquanto as restrições de viagem permanecerem em vigor, os custos devem se acentuar, aponta o relatório.

Com incerteza, crise nos transportes aumenta custos no comércio internacional
Aviões parados no aeroporto de Frankfurt, na Alemanha. Março de 2020 (Foto: Pexels/Tobias Rehbein)

Além disso, a instabilidade também reduz o apetite das empresas para investir em novas relações comerciais.

Os mais prejudicados são os países emergentes e em desenvolvimento, que têm seus custos de manufatura quase dependentes do bom desempenho de custos dos transportes de carga.

Em todo o mundo, o transporte aéreo é o mais prejudicado – o setor encolheu 24,6% apenas em março de 2020. No transporte aéreo de passageiros, que representa metade do volume mundial das cargas aéreas, o buraco foi ainda maior: só na América Latina, os voos foram reduzidos em 99%.

Mesmo nos transportes marítimo e terrestre, que mantiveram atividades durante o período, os atrasos recorrentes também encareceram os produtos.

Mudanças de hábito

O relatório também chama a atenção para as mudanças de hábito de consumo em decorrência da pandemia – que não são tão significativas quanto o esperado.

As medidas de restrição e as simplificações regulatórias em importações e tarifas, em alguns países, afetam apenas o comércio de um pequeno subconjunto de produtos, informou o estudo.

Os serviços que demandam uma maior proximidade física como o turismo, transporte de passageiros ou serviços, sofreram o maior impacto, e a sua recuperação deve ser a mais longa.

Tags: