Mundo

Limitações impostas pela Covid-19 criam ‘pandemia de tráfico humano’, diz ONU

Internet, queda de renda e desemprego decorrentes da crise influenciam no aumento desse tipo de crime no mundo

Um novo estudo sobre o impacto da Covid-19 no mundo indica um aumento no número de vítimas de tráfico humano durante a pandemia, especialmente a exploração de crianças. As informações constam em um relatório do Unodc (Escritório da ONU sobre Drogas e Crime) divulgado nesta sexta-feira (9).  

A agência da ONU classifica a situação como “pandemia de tráfico humano” e afirma que os criminosos se aproveitam da crise para chegar às vítimas, adultos e crianças, que passaram a ficar mais tempo na internet. A diminuição da renda das pessoas e o desemprego decorrentes da crise também influenciam no aumento desse tipo de crime. 

Vítima de tráfico humano em local de acolhimento da ONU (Foto:

Exploração sexual  

O chefe da Seção de Contrabando de Migrantes e Tráfico Humano do Unodc, Ilias Chatzis, lembrou que esses criminosos atuam em situações de vulnerabilidade, enganando as vítimas com falsas promessas. E pessoas desesperadas tendem a acreditar nas mentiras.    

O estudo revela um aumento no número de crianças vítimas dos traficantes, que usam as redes sociais e outras plataformas para recrutar os menores. Com o aumento de materiais de exploração sexual de crianças, crescem os crimes contra elas. Além disso, o confinamento social e as fronteiras fechadas fazem com que as vítimas tenham menos chance de escapar dos traficantes.  

Combate

Os autores do relatório afirmam que, mesmo com as dificuldades da pandemia, o crime de tráfico humano não diminuiu, uma vez que os bandidos se adaptam rapidamente à nova realidade. Em vez de atuarem em locais públicos, eles passam as atividades para propriedades privadas e para a internet.  

Em alguns países, policiais e investigadores dedicados a combater esse tipo de crime foram transferidos para outros setores para ajudar a responder à pandemia.  Daí a necessidade de criar uma estratégia de enfrentamento que não seja interrompida em tempos de crise, segundo a ONU. 

Conteúdo adaptado do material publicado originalmente pela ONU News.