Mundo

Na ONU, Síria se diz comprometida com ‘combate e erradicação do terrorismo’

Fayssal Mekdad, ministro das Relações Exteriores e Expatriados, falou do objetivo do país em “restaurar a segurança e a estabilidade”

Em seu discurso na Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas) na segunda-feira (27), Fayssal Mekdad, ministro das Relações Exteriores e Expatriados da Síria, reafirmou o compromisso de seu país em combater o terrorismo e seu objetivo de “restaurar a segurança e a estabilidade”. Ele também abordou o impacto global da pandemia de Covid-19.

Depois de ser realizado virtualmente no ano passado devido à pandemia, o debate deste ano apresenta atividades “híbridas” que incluem líderes falando pessoalmente junto com participantes virtuais.   

“Alguns usaram a pandemia como forma de acertar contas políticas e acusar outros países de criar o vírus, enquanto outros egoisticamente ignoraram as necessidades alheias, optando por acreditar que estavam sozinhos nesta terra”, disse ele.

O Ministro das Relações Exteriores Fayssal Mekdad, da República da Síria, discursa na Assembléia Geral da ONU (Foto: UN Photo/Cia Pak)

Declarando que as sanções exacerbaram os efeitos da pandemia de coronavírus na Síria e em outros países fortemente sancionados, Mekdad disse que “se Covid-19 reivindicasse uma vida na ausência das chamadas sanções, reivindicaria muitas mais quando eles estão no lugar”.

“As sanções estão trazendo sofrimento e morte a países como Cuba, Irã, Sudão, Síria, Venezuela e Iêmen”, acrescentou.

A ameaça do terrorismo

Passando para a ameaça do terrorismo, Mekdad reconheceu que a Síria é um dos países mais afetados por esse flagelo e confirmou que seu país continuará a lutar contra ele, buscando garantir que “a autoridade, segurança e estabilidade do Estado sejam restauradas”.

“Aqueles que continuam apoiando e investindo em terroristas estão fazendo uma aposta perigosa, que está fadada ao fracasso”, disse Mekdad no último dia de atividades da Assembleia Geral. 

Voltando-se para a Turquia, disse que “o regime cometeu crimes de guerra e crimes contra a humanidade nos territórios da Síria que ocupa”, e apelou a uma ação urgente do Conselho de Segurança da ONU e do Secretariado, para levá-los a um fim imediato.

“As forças turcas e americanas ocupam territórios sírios sob falsos pretextos, saqueando recursos naturais pertencentes ao povo sírio”, acrescentou, apelando ao fim da ocupação.

Refugiados

Mekdad apontou as “portas abertas” da Síria para o retorno seguro e voluntário de todos os refugiados ao seu país, sublinhando que o país está trabalhando para “reconstruir e reabilitar a infraestrutura e os serviços em áreas recuperadas de terroristas e implementando os procedimentos necessários para facilitar o retorno das pessoas e atender às suas necessidades básicas”.

“O escopo das intervenções humanitárias deve ser ampliado para incorporar assistência ao desenvolvimento e projetos de recuperação e resiliência precoce, que forneceriam água, saneamento, saúde, serviços médicos e habitação”, disse ele.

Mundo interconectado

Mekdad pediu o fim dos crimes de guerra de Israel e crimes contra a humanidade nos territórios palestinos ocupados, e expressou o apoio e solidariedade da Síria ao Irã “em face das medidas ilegais e irresponsáveis ​​dos EUA contra ele, especialmente após a retirada dos EUA do Irã ao acordo nuclear”.

A autoridade concluiu afirmando que o mundo está “interligado” e que “nenhum país pode servir os seus interesses e garantir a sua segurança à custa dos interesses e da segurança de outros países”.

Conteúdo adaptado do material publicado originalmente em inglês pela ONU News