Número de jornalistas presos chega ao maior nível desde 1995, denuncia ONG

Balanço anual da Repórteres Sem Fronteiras denuncia que 488 profissionais de imprensa estão sob custódia no mundo atualmente
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

O contingente de jornalistas presos durante o exercício da profissão chegou neste ano ao seu maior patamar desde 1995, segundo a ONG Repórteres Sem Fronteiras (RSF). Relatório anual da entidade registra um total de 488 profissionais de imprensa sob custódia em dezembro de 2021, quantidade que representa 20% a mais do que no mesmo período em 2020.

O aumento de detenções está diretamente ligada a três países com histórico de repressão estatal: Mianmar, onde uma junta militar aplicou um golpe de Estado em fevereiro; Belarus, onde a categoria passou a ser ainda mais perseguida após a controversa reeleição de Alexander Lukashenko em 2020; e a China, especialmente no território semiautônomo de Hong Kong, onde uma Lei de Segurança Nacional entrou em vigor coibindo a liberdade de imprensa na cidade que outrora foi exemplo de respeito ao jornalismo.

Segundo a RSF, 2021 também trouxe um recorde negativo em relação a mulheres jornalistas. Hoje, estão presas 60 profissionais, 33% a mais que em 2020. A China lidera pelo quinto ano consecutivo como o país que mais jogou jornalistas do sexo feminino no cárcere, com 19 detidas atualmente. Entre elas, a chinesa Zhang Zhan, condenada a quatro anos de prisão após noticiar os primeiros estágios da pandemia de Covid-19 em Wuhan e que está gravemente doente.

Jimmy Lai, magnata chinês da imprensa, uma principais figuras ligadas ao movimento pró-democracia de Hong Kong (Foto: WikiCommons)

Belarus tem mais mulheres jornalistas (17) aprisionadas do que homens (15). Duas são repórteres do canal de TV independente Belsat, sediado na Polônia e co-financiado pelo Ministério de Relações Exteriores local: Daria Chultsova e Katsiaryna Andreyeva. Ambas foram condenadas a dois anos em um campo de detenção após cobrirem ao vivo uma manifestação não autorizada pelo governo.

Já em Mianmar, dos 53 jornalistas e profissionais da mídia detidos, nove são mulheres.

Para o secretário-geral da RSF, Christophe Deloire, o alto número de jornalistas presos de forma arbitrária é obra das perseguições à classe nesses três regimes ditatoriais e articulações políticas para os líderes se manterem impunes.

“É um reflexo do reforço do poder ditatorial em todo o mundo, um acúmulo de crises e a falta de escrúpulos por parte desses regimes. Também pode ser o resultado de novas relações de poder geopolítico em que os regimes autoritários não estão sendo submetidos a pressão suficiente para conter suas repressões”, observa.

Mortes em queda

Um dado levantado pela RSF é positivo: houvequeda no número de jornalistas mortos em conexão com seu trabalho. Foram 46 óbitos de 1º de janeiro a 1º de dezembro de 2021 – somente 2003 registrou menos de 50 profissionais da imprensa que perderam a vida trabalhando. A redução pode ser atribuída à redução dos conflitos na Síria, Iraque e Iêmen, além de campanhas coordenadas por organizações de liberdade de imprensa (entre elas a RSF) e da implementação de programas internacionais e nacionais direcionados à proteção dos repórteres.

Mas, mesmo com a melhora no quadro, a média de jornalistas mortos ainda é alta: pelo menos um morre por semana no mundo enquanto trabalha. Segundo a RSF, neste ano, 65% do total foi deliberadamente executada. Os países que lideraram essa estatística mortal são, novamente, México (7) e Afeganistão (6). Iêmen e Índia dividem o terceiro lugar, com quatro jornalistas mortos em cada país.

O balanço de 2021 também destaca outros dados: a sentença mais longa, 15 anos, aplicada a Ali Aboluhom, na Arábia Saudita, e a Pham Chi Dung, no Vietnã; os julgamentos mais longos e “kafkanianos”, infligidos a Amadou Vamoulké, Camarões, e a Ali Anouzla, no Marrocos; os jornalistas em cárcere mais velhos, Jimmy Lai, em Hong Kong, e Kayvan Samimi Behbahani no Irã, respectivamente 74 e 73 anos; e o jornalista francês Olivier Dubois como o único jornalista estrangeiro raptado neste ano, mantido como refém no Mali desde 8 de abril.

Tags: