Sauditas, cubanos e norte-coreanos também usam desinformação, dizem EUA

Meta é influenciar eleições norte-americanas e patrocinar narrativas alinhadas aos regimes, diz oficial
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Além da Rússia e da China, Coreia do Norte, Arábia Saudita e Cuba têm conduzido operações de desinformação para influenciar as eleições nos EUA, que acontecem em novembro. A informação, do site Cyberscoop, foi revelada por um oficial de contrainteligência norte-americano.

Espera-se que as atividades hackers de “atores estatais” aumentem nos dois meses que antecedem o pleito, segundo Bill Evanina, diretor da área de contrainteligência e segurança do governo dos EUA. A declaração foi feita durante evento online no último dia 19.

“Muita coisa vai acontecer nos próximos 70 dias para impactar e influenciar esses assuntos, por meio de atores estatais que representam ameaça, como Irã, China e obviamente a Rússia“, afirmou.

Sauditas, cubanos e norte-coreanos também usam desinformação, dizem EUA
Atores estatais têm investido em novas ferramentas cibernéticas para defender seus pontos de vista e gerar desinformação, segundo oficial de contrainteligência dos EUA (Foto: Pexels)

“Eles querem ser capazes de trazer sua própria ótica para fomentar discordância nos EUA. Países como Cuba, Coreia do Norte e Arábia Saudita”, afirmou Evanina.

Instituições norte-americanas, como o Senado, já investigaram e confirmaram a interferência russa nas eleições de 2016. Agora, Beijing e Teerã também almejam reproduzir ao menos parte das táticas russas de desinformação contra os eleitores nos EUA.

Evanina se referiu a China, Irã e Rússia como “os três grandes”, por sua alta capacidade de intervenção em sistemas estrangeiros.

Operações mais modestas, como a saudita, miram em ataques contra rivais como o Catar, o Irã e a Turquia. Já os norte-coreanos investem contra veículos de imprensa para gerar desinformação sobre o regime.

Os cubanos, por sua vez, usam as redes sociais para criar contas que defendem o governo de Havana.

O especialista norte-americano relatou temer ataques contra estruturas eleitorais usadas no pleito de novembro. Entre eles, ransomware, ou o sequestro de um sistema mediante resgate.”Me preocupa uma inabilidade de as pessoas votarem por causa de ciberataques”, afirmou.

Tags: