África

África tem queda em casos de Covid-19, mas OMS projeta riscos da terceira onda

Aposta do continente é inocular 10% da população mais vulnerável à Covid-19 até o final de setembro

A África teve uma queda de 1,7% de novos casos da Covid-19 na última semana, de acordo com dados da OMS (Organização Mundial da Saúde). A queda de casos acontece após oito semanas consecutivas de aumento rápido, mas a entidade alerta que ainda há mais motivos para preocupação que alívio.

Nesta quinta-feira, Matshidiso Moeti, diretor regional da OMS, disse que “não se deve ter ilusões. porque a terceira onda não chegou ao fim na região”. Ela afirmou ainda que os recentes dados são “um pequeno passo adiante que oferece esperança e inspiração, mas não devem mascarar o panorama geral do continente”. 

A chefe regional da agência explicou que muitos países ainda estão em risco de alcançar o pico da terceira onda, em parte devido as celebrações nesta semana da Eid al-Adha, a Festa do Sacrifício, uma das principais datas do calendário muçulmano.

Rodada de vacinação à Covid-19 em Accra, Gana, março de 2021 (Foto: Unicef/Francis Kokoroko)

Uma das razões para a desaceleração semanal é a queda acentuada registrada na África do Sul. Mas há receios de que no país, que concentra a maior parte dos casos do continente, tenha ocorrido “um desenvolvimento de curta duração”. 

Investimento

Entre os maiores desafios apontados pela OMS está a distribuição de vacinas. O aumento deve ser entre cinco a seis vezes mais rápido que o atual, para cumprir a meta de imunizar 10% dos mais vulneráveis na população até o final de setembro. 

Moeti lembrou que os países de alta renda administraram 62 vezes mais doses por pessoa do que as economias de baixo rendimento.   

Estimativas do Banco Mundial indicam que US$ 9,5 bilhões seriam necessários para comprar vacinas suficientes para garantir uma proteção adequada na região. Outros US$ 3 bilhões devem ser investidos para financiar as operações associadas ao processo. 

Vacinação deficiente

Para ilustrar o atraso do continente na imunização, Moeti disse que apenas 20 milhões de africanos estão totalmente vacinados. O número corresponde a 1,5% da população africana.   

Apenas 1,7% dos 3,7 bilhões de doses administradas globalmente foram para a África. A região deve receber meio bilhão de doses ainda este ano através do mecanismo Covax, liderado pela OMS e parceiros. 

Moeti disse que para responder a este fluxo de imunizantes, os países da região devem melhorar sua prestação com esforços para aumentar a aceitação, expandir as operações, investir em custos operacionais e lidar com a confiança nas vacinas.