Al-Shabaab reivindica ataque a hotel que deixou nove mortos no sul da Somália

Segundo autoridades locais, as vítimas do ataque foram apenas civis, e não representantes do governo somali

Nove pessoas morreram e 47 ficaram feridas em um ataque realizado pelo grupo extremista Al-Shabaab a um hotel na cidade de Kismayo, no sul da Somália (23), no domingo. As informações são do site The Defense Post.

Segundo autoridades locais, as vítimas do ataque ao Hotel Tawakl foram apenas civis, e não representantes do governo somali. Entre os mortos estão estudantes que deixavam uma escola próxima ao local do atentado.

“Na explosão, nove pessoas, incluindo estudantes e civis, foram mortas e outras 47 ficaram feridas, algumas delas gravemente”, disse Yussuf Hussein Dhumal, ministro da Segurança da região de Jubalândia, à agência Reuters. “O hotel onde a explosão aconteceu ficava perto de uma escola, então muitos alunos ficaram feridos.”

Quatro insurgentes também morreram na ação, sendo um deles um terrorista suicida que acionou um dispositivo explosivo que carregava junto ao corpo. Os outros três foram mortos na troca de tiros com as forças de segurança.

Em agosto, um ataque a outro hotel, o Hayat, na capital Mogadíscio, deixou mais de 20 pessoas mortas e deu início a uma grande operação de contraterrorismo conduzida pelo governo contra o Al-Shabaab. Na ocasião, o alvo foram autoridades do governo somali, vez que o local do ataque era um tradicional ponto de encontro de políticos.

Ao reivindicar o ataque deste domingo, o Al-Shabaab, que é ligado à Al-Qaeda, afirmou que mais uma vez tinha como alvo membros do governo local. Entretanto, Abdullahi Ismail, membro da polícia local, desmentiu a informação. “Este não é um alvo do governo. É apenas um hotel comum, frequentado por civis”, disse ele.

Antigo reduto do grupo extremista, a cidade de Kismayo já havia sofrido um ataque semelhante em 2019, com 26 vítimas fatais. A região foi reconquistada em 2012 por milícias armadas apoiadas pelo governo aliado do Quênia.

Hotel atingido por ataque do Al-Shabaab em Kismayo, na Somália (Foto: reprodução/Twitter)
Por que isso importa?

O Al-Shabaab chegou a controlar a capital Mogadíscio, até 2011, quando foi expulso de lá pelas forças da União Africana. Atualmente, controla territórios nas áreas rurais da Somália e luta para derrubar o governo nacional, tendo inclusive se expandido para a vizinha Etiópia.

O grupo concentra seus ataques no sul e no centro da Somália. As atividades envolvem ataques a órgãos e oficiais do governo e a entidades de ajuda humanitária, além de extorsão contra a população local e proteção de terroristas internacionais que se escondem no país.

Um relatório do International Crisis Group (Grupo de Crise Internacional, em tradução literal), cuja meta é prevenir guerras em todo o mundo, diz que derrotar o Al-Shabaab é uma tarefa complexa devido à quantidade de seguidores em território somali, algo na casa dos cinco mil. Assim, a melhor estratégia para o governo somali seria a negociação

“Combinada com a disfunção e a divisão entre seus adversários, a agilidade dos militantes permitiu que se inserissem na sociedade somali”, diz o documento. “Há um crescente consenso nacional e internacional de que o Al-Shabaab não pode ser derrotado apenas por meios militares”.

O relatório, porém, afirma que a diplomacia não vem sendo considerada pelo governo. “Há pouco apetite entre as elites somalis ou os parceiros internacionais do país para explorar alternativas, principalmente conversas com líderes militantes”. E acrescenta: “A alternativa é mais luta sem um fim à vista”.

O presidente Hassan Sheikh Mohamud deixa claro que a diplomacia de fato não está nos planos, tendo iniciado uma grande ofensiva contra os insurgentes em setembro. Na ocasião, ele comparou a facção a “uma cobra mortal” e disse que “não há solução a não ser matá-la, antes que ela mate você”.

Ao prometer confrontar os insurgentes, ele inclusive alertou a população para que não seja pega no fogo cruzado. “O Al-Shabaab será confrontado usando todos os métodos que a guerra permitir. Eles serão bombardeados, invadidos e submetidos a ataques aéreos. Então, fique longe deles”, disse Mohamud.

A ofensiva militar teve início após um ataque realizado pelos extremistas que matou 21 pessoas no Hotel Hayat, na capital Mogadíscio, em 19 de agosto. O hotel atacado era um popular ponto de encontro de autoridades do governo, sendo que dezenas de pessoas estavam no local na hora do evento. Foi o maior ataque do Al-Shabaab no país desde que Mohamud assumiu o poder em junho deste ano.

No Brasil

Casos mostram que o Brasil é um porto seguro para extremistas. Em dezembro de 2013, levantamento do site The Brazil Business indicava a presença de ao menos sete organizações terroristas no Brasil: Al Qaeda, Jihad Media Battalion, Hezbollah, Hamas, Jihad Islâmica, Al-Gama’a Al-Islamiyya e Grupo Combatente Islâmico Marroquino.

Em 2001, uma investigação da revista VEJA mostrou que 20 membros terroristas de Al-Qaeda, Hamas e Hezbollah viviam no país, disseminando propaganda terrorista, coletando dinheiro, recrutando novos membros e planejando atos violentos.

Em 2016, duas semanas antes do início dos Jogos Olímpicos no Rio, a PF prendeu um grupo jihadista islâmico que planejava atentados semelhantes aos dos Jogos de Munique em 1972. Dez suspeitos de serem aliados ao Estado Islâmico foram presos e dois fugiram.

Mais recentemente, em dezembro de 2021, três cidadãos estrangeiros que vivem no Brasil foram adicionados à lista de sanções do Tesouro Norte-americano. Eles são acusados de contribuir para o financiamento da Al-Qaeda, tendo inclusive mantido contato com figuras importantes do grupo terrorista.

Para o tenente-coronel do Exército Brasileiro André Soares, ex-agente da Abin (Agência Brasileira de Inteligência), o anúncio do Tesouro causa “preocupação enorme”, vez que confirma a presença do país no mapa das organizações terroristas islâmicas.

“A possibilidade de atentados terroristas em solo brasileiro, perpetrados não apenas por grupos extremistas islâmicos, mas também pelo terrorismo internacional, é real”, diz Soares, mestre em operações militares e autor do livro “Ex-Agente Abre a Caixa-Preta da Abin” (editora Escrituras). “O Estado e a sociedade brasileira estão completamente vulneráveis a atentados terroristas internacionais e inclusive domésticos, exatamente em razão da total disfuncionalidade e do colapso da atual estrutura de Inteligência de Estado vigente no país”. Saiba mais.

Tags: