Em Moçambique, extremistas do EI decapitam 50 pessoas no norte do país

Ataques e saques a comunidades pelo Estado Islâmico tomaram a região desde 2017; área é rica em gás natural
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Em mais um capítulo de violência extremista na província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, extremistas decapitaram 50 pessoas na segunda-feira (9). Membros do Estado Islâmico assassinaram as vítimas em um campo de futebol, disse a polícia local à Deutsche Welle

Palco de ataques brutais desde 2017, a província vive uma onda de terror após integrantes do EI tomarem uma área rica em gás natural em agosto.

O grupo avança sobre as cidades da região para saquear comunidades e recrutar novos militantes para o grupo. De acordo com autoridades moçambicanas, os decapitados foram capturados em diversas aldeias da região na última semana.

“Eles incendiaram casas e caçaram as pessoas que fugiram para a floresta”, relatou um policial. Além das mortes, os militantes também sequestraram mulheres e crianças.

Terror em Moçambique: extremistas decapitam 50 pessoas em Cabo Delgado
Parte da população de Cabo Delgado, em Moçambique, busca ajuda das operações dos Médicos Sem Fronteiros para proteção (Foto: Divulgação/MSF)

Ao recrutar jovens sem perspectiva, o grupo indica o objetivo de construir um califado islâmico e impõe a sua força através de diversos ataques brutais. Sem amparo, a polícia moçambicana tenta lutar contra o avanço do extremistas – sem sucesso.

Ainda em abril, mais de 50 jovens teriam sido decapitados após recusarem se unir ao grupo.

A ONU (Organização das Nações Unidas) estima que a fome, violência e dificuldade de acesso de ajuda humanitária já forçaram o deslocamento de mais de 300 mil cidadãos da província desde o início dos conflitos.

No Brasil

Casos mostram que o país é um “porto seguro” para extremistas. Em dezembro de 2013, um levantamento do site The Brazil Business indicava a presença de ao menos sete organizações terroristas no Brasil: Al Qaeda, Jihad Media Battalion, Hezbollah, Hamas, Jihad Islâmica, Al-Gama’a Al-Islamiyya e Grupo Combatente Islâmico Marroquino. Em 2001, uma investigação da revista VEJA mostrou que 20 membros terroristas de Al-Qaeda, Hamas e Hezbollah viviam no país, disseminando propaganda terrorista, coletando dinheiro, recrutando novos membros e planejando atos violentos. Em 2016, duas semanas antes do início dos Jogos Olímpicos no Rio, a PF prendeu um grupo jihadista islâmico que planejava atentados semelhantes aos dos Jogos de Munique em 1972. Dez suspeitos de serem aliados ao Estado Islâmico foram presos e dois fugiram. Saiba mais.

Tags: