África

EUA incluem cinco líderes jihadistas na lista de terroristas internacionais

Na lista negra está Bonomade Machude Omar, coordenador de todos os ataques realizados pelo Estado Islâmico no norte de Moçambique

Os Estados Unidos anunciaram na sexta-feira (6) o acréscimo em sua lista de “patrocinadores do terrorismo internacional” os nomes de cinco líderes extremistas. Todos são integrantes de grupos jihadistas africanos, informou o portal VOA News (Voice of America).

Entre eles está Bonomade Machude Omar, comandante militar sênior da filial do Estado Islâmico (EI) em Moçambique, afirmou o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, em comunicado. Omar liderou um grupo de militantes que matou dezenas de pessoas em um ataque ao Hotel Amarula, na cidade de Palma, em março, disse Blinken.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, falou que os listados serão alvo de uma série de sanções (Foto: duivulgação)

Omar também é responsável por ataques em outras partes de Moçambique e na Tanzânia, acrescentou a autoridade norte-americana.

Os cinco responsáveis citados na lista estabelecida pelos Estados Unidos serão alvo de uma série de sanções.

Sidan Hitta e Salem Ould al-Hasan, líderes seniores da coalizão Jama’at Nusrat al-Islam wal-Muslimin (que integra as principais organizações jihadistas na região do Sahel), baseada no Mali, também foram designados, assim como Ali Mohamed Rage e Abdikadir Mohamed Abdikadir, líderes do Al-Shabaab da Somália, disse Blinken.

“Enfrentar a ameaça terrorista em todo o continente exigirá trabalhar em estreita colaboração com os parceiros dos Estados Unidos para reduzir a capacidade e as operações desses grupos terroristas, combatendo o seu poder e influência no oeste, leste e sul da África”, concluiu o secretário.

No Brasil

Casos mostram que o Brasil é um “porto seguro” para extremistas. Em dezembro de 2013, um levantamento do site The Brazil Business indicava a presença de ao menos sete organizações terroristas no Brasil: Al Qaeda, Jihad Media Battalion, Hezbollah, Hamas, Jihad Islâmica, Al-Gama’a Al-Islamiyya e Grupo Combatente Islâmico Marroquino.

Em 2001, uma investigação da revista VEJA mostrou que 20 membros terroristas de Al-Qaeda, Hamas e Hezbollah viviam no país, disseminando propaganda terrorista, coletando dinheiro, recrutando novos membros e planejando atos violentos.

Em 2016, duas semanas antes do início dos Jogos Olímpicos no Rio, a PF prendeu um grupo jihadista islâmico que planejava atentados semelhantes aos dos Jogos de Munique em 1972. Dez suspeitos de serem aliados ao Estado Islâmico foram presos e dois fugiram. Saiba mais.