Execuções por pena de morte no Egito dobraram nos últimos meses

Números superam todo o ano passado; entre 57 execuções nos últimos meses, pelo menos 15 têm motivação política
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

As execuções por pena de morte quase dobraram no Egito em outubro e novembro, e superou o total de 2019. Nos últimos dois meses, 57 cidadãos foram mortos, enquanto o ano passado terminou com 32 execuções.

Um relatório da Anistia Internacional, lançado nesta quarta (2), lança luz sobre a questão. De acordo com a organização, ao menos 15 dos executados tiveram a condenação à morte relacionada com questões políticas.

A Anistia Internacional classifica as decisões como injustas e acusa o governo de grave violação aos direitos humanos. “São julgamentos em massa, grosseiros e estúpidos”, disse um dos diretores da Anistia, Philip Luther.

Execuções por pena de morte no Egito dobraram nos últimos meses
Manifestante pede pelo fim das prisões arbitrárias e execuções ilegais na Prisão de Tora, uma das mais conhecidas do Egito, na capital, Cairo, em outubro de 2011 (Foto: CreativeCommons/Hossam el-Hamalawy)

Desde que o presidente Abdel Fattah al-Sisi chegou ao poder, em 2014, os tribunais egípcios condenaram cerca de três mil cidadãos à morte. O número é muito superior às cerca de 800 sentenças de morte proferidas entre 2008 e 2013.

A organização exorta as autoridades egípcias a promover a anulação de todas as condenações e realizar novos julgamentos aos presos políticos. Outra reivindicação é a suspensão imediata das execuções.

“Pedimos que os membros do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas estabeleçam um mecanismo de monitoramento sobre as violações no Egito”, reformou Luther.

Questionado, al-Sisi afirmou que não há prisioneiros políticos no Egito. “A estabilidade e segurança são fundamentais”, pontuou.

Tags: