Jovens recém-eleitos ajudam a aumentar espaços democráticos na Somália

Nas últimas eleições parlamentares, 43 das 95 cadeiras de Assembleia regional foram conquistadas por jovens
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Um total de 43 jovens entre 25 e 36 anos foram eleitos para o parlamento da Somália do Sudoeste, estado autônomo do país. Há agora uma presença de 45% dos jovens na assembleia local, que tem 95 cadeiras. As informações são da UN-Habitat.

Desde 2018, o Projeto de Capacitação Política da Juventude trabalha para aumentar a capacidade das autoridades locais abordarem de maneira eficaz as questões da juventude local. Também há o objetivo de estimular a presença desse público na política.

Osman Nur Adan foi um dos políticos mais jovens eleitos na Somália (Foto: UN-Habitat)

Um dos eleitos é Osman Nur Adan, nascido e criado na região da Baía de Diinsoor, no sudeste do estado. Formado em administração pública, Adan afirma que nunca viveu uma situação política estável na região.

A exclusão política, social e econômica dos jovens no país foi o que motivou o jovem a entrar na política. “Se queremos mudar, temos que pressionar para que nossas vozes sejam ouvidas”, afirma. “Parte disso se faz participando dos processos políticos, objetivo que o projeto nos ajudou a alcançar”.

Amina Omar também faz parte do grupo jovem eleito na Somália. Formada em gestão e administração pela Universidade da Somália, Omar representa no parlamento uma comunidade sob o controle da Al-Shabaab, braço da Al-Qaeda na Somália.

A falta de ensino e acesso a necessidades básicas para meninas e mulheres foi o que a motivou a ser mais ativa politicamente. “Tenho que mudar a percepção da minha comunidade e até dos membros da minha família, que acham que a mulher não deve participar da política”, afirma Omar. Seu objetivo é diminuir a percepção patriarcal, comum na Somália, que vê as mulheres como inferiores.

Tags: