Sob acusação de fraude, governo vence eleição no Burundi com 68,7% dos votos

Processo seria primeira transição presidencial pacífica no país desde sua independência da Bélgica, em 1962
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

O candidato governista Evariste Ndayishimiye, ganhou com 68,72% dos votos a eleição presidencial do Burundi, na África central. O oposicionista Agathon Rwasa teve 24,19%, segundo a Reuters.

Houve acusação de fraude por parte da oposição e de grupos de direitos humanos, além de relatos de prisões e torturas. Rwasa afirmou que os números são uma “fantasia”, de acordo com a Al Jazeera.

A opção por uma eleição durante a pandemia global também gerou críticas da comunidade internacional. A organização Human Rights Watch informou que há suspeitas de que o governo esteja suprimindo a divulgação de dados da doença no país.

Sob acusação de fraude, governo vence eleição no Burundi com 68,7% dos votos
Mulheres se preparam para começar a trabalhar um terreno em Ngozi, no Burundi (Foto: UN Photo)

O governo registrou presença de 87,71% dos 5,11 milhões de eleitores aptos a participar. Foram sete candidatos à presidência, no total.

A última tentativa de se propor um processo eleitoral no país, em 2015, foi manchada pela manobra do atual presidente Pierre Nkurunziza de concorrer a um terceiro mandato.

Naquela época, houve perseguição dos opositores e milhares de pessoas fugiram do país.

As eleições deste ano coroariam a primeira transição pacífica de poder, nos moldes democráticos, desde a independência da Bélgica, em 1962.

Tags: