Somália anuncia prisão de 12 insurgentes em região de forte atividade jihadista

Militantes não chegaram a empreender ataques armados, mas agiram para amedrontar os cidadãos de Baidoa, segundo uma autoridade local
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Autoridades militares da Somália anunciaram na terça-feira (9) que uma operação bem sucedida realizada pelas forças de segurança nacionais levou à prisão de 12 jihadistas do Al-Shabaab na cidade Baidoa, no sul do país. As informações são do site independente somali Garowe Online.

Baidoa, que é a capital administrativa do Estado Sudoeste, tem sofrido com o aumento da atividade extremista, sobretudo de militantes ligados ao Al-Shabaab, principal grupo jihadista em ação no país e vinculado à Al-Qaeda.

“Prendemos 12 militantes da Al-Shabaab em uma operação que visa garantir a segurança da cidade de Baidoa, na região da baía. Estamos empenhados em proteger nosso povo e os candidatos durante as eleições parlamentares federais”, disse Mohamud Mohamed Hassan, comandante da agência de inteligência e segurança do Estado.

Segundo Hassan, os militantes não chegaram a empreender ataques armados, mas agiam para amedrontar a população local. “Agimos com rapidez e os detivemos para interrogatórios e outras ações. Estabelecemos regras que lidam com esses terroristas”, afirmou. “Confie em mim, eles serão denunciados no tribunal o mais rápido possível, conforme prescrito pelo Estado de Direito”.

Soldados do eexército da Somália em treinamento na Turquia (Foto: Wikimedia Commons)

Por que isso importa?

O Al-Shabbab chegou a controlar a capital Mogadíscio até 2011, quando foi expulso de lá pelas forças da União Africana. Atualmente, controla territórios nas áreas rurais da Somália e luta para derrubar o governo nacional.

O grupo concentra seus ataques no sul e no centro do país. As atividades envolvem ataques a órgãos e oficiais do governo e a entidades de ajuda humanitária, além de extorsão contra a população local e proteção de terroristas internacionais que se escondem no país.

Dados apontam que os extremistas estiveram em mais de 400 episódios violentos no país entre julho e setembro do ano passado – o maior número desde 2018.

O confronto, porém, atualmente pende para o lado do exército. O objetivo dos militares é reconquistar territórios vitais para a economia do país, numa ofensiva que já dura cinco meses e é comandada pelo general Odowaa Yusuf Rageh. Em determinadas missões, ele faz questão de liderar pessoalmente os militares. 

No Brasil

Casos mostram que o país é um “porto seguro” para extremistas. Em dezembro de 2013, um levantamento do site The Brazil Business indicava a presença de ao menos sete organizações terroristas no Brasil: Al Qaeda, Jihad Media Battalion, Hezbollah, Hamas, Jihad Islâmica, Al-Gama’a Al-Islamiyya e Grupo Combatente Islâmico Marroquino.

Em 2001, uma investigação da revista VEJA mostrou que 20 membros terroristas de Al-Qaeda, Hamas e Hezbollah viviam no país, disseminando propaganda terrorista, coletando dinheiro, recrutando novos membros e planejando atos violentos.

Em 2016, duas semanas antes do início dos Jogos Olímpicos no Rio, a PF prendeu um grupo jihadista islâmico que planejava atentados semelhantes aos dos Jogos de Munique em 1972. Dez suspeitos de serem aliados ao Estado Islâmico foram presos e dois fugiram. Saiba mais.

Tags: