Ásia e Pacífico

Confronto militar é improvável, mas China pode sufocar Taiwan com bloqueio total

Bloqueio de acesso a Taiwan é consequência mais provável, dizem relatórios lançados pelos EUA e Taipé

O crescente embate entre China e Taiwan pode não terminar em confronto militar, mas sim em um bloqueio total da ilha. É o que apontam relatórios produzidos pelos EUA e por Taiwan e acessados pelo site norte-americano Business Insider.

O documento, lançado pelo governo taiwanês no ano passado, pontua que Beijing não teria capacidade de lançar uma invasão em grande escala contra a ilha. “Uma invasão provavelmente sobrecarregaria as forças armadas chinesas”, concordou o relatório do Pentágono.

Caso ocorresse, a escalada militar criaria um “risco político e militar significativo” para Beijing. Ainda assim, ambos os documentos reconhecem que a China é capaz de bloquear Taiwan com cortes dos tráfegos aéreo e naval e das redes de informação.

Mais que um confronto militar, China pode cortar acesso a Taiwan com bloqueio total da ilha
Bandeira de Taiwan em praça pública de Taipé, outubro de 2019 (Foto: Divulgação/Uming Photography)

O bloqueio pode incluir ainda ataques de mísseis em grande escala e possíveis tomadas das ilhas offshore de Taiwan, como as Ilhas Prata, de Kinmen e Matsu, no Mar do Sul da China.

Caso ocorra, o cerceamento de Taiwan aceleraria o consumo de materiais essenciais, levando a ilha ao colapso. Não há estudos sobre o quão rápido o país conseguiria reagir à crise ou qual a capacidade de sobrevivência dos estoques de mantimentos, como água e alimentos, bem como de equipamentos de guerra.

O rompimento deste bloqueio também seria difícil, concluíram os relatórios. Como Beijing mantém a maior marinha do mundo e a principal força aérea da região, seria uma missão árdua romper as barreiras.

Tensão se alastra

As tensões geopolíticas escalam com rapidez no Estreito de Taiwan. A China endureceu sua retórica contra as reivindicações de independência da ilha autônoma no ano passado, depois que o governo taiwanês se aproximou dos EUA.

Desde então, jatos e caças chineses passaram a realizar exercícios militares nas regiões limítrofes com Taiwan enquanto Beijing deixou claro que não aceitará a independência do território “sem uma guerra”.

Enquanto isso, China e EUA disputam o duelo comercial, financeiro e tecnológico que se acentuou por conta da pandemia.