Ásia e Pacífico

Nações Unidas pedem a países que acolham navios rohingyas à deriva no mar

Refugiados fogem da limpeza étnica que ocorre em Mianmar, país do sul da Ásia, e tentam abrigo em nações vizinhas

As Nações Unidas fizeram um novo apelo nesta quarta (6) aos governos de países do sul da Ásia para que permitam a acolhida dos barcos de refugiados rohingyas, à deriva no mar.

No comunicado, a ONU denunciou que há barcos na região com centenas de refugiados rohingyas, minoria muçulmana perseguida em Mianmar. O governo Win Mynt pratica o que as Nações Unidas classificam como limpeza étnica.

Nações Unidas pedem a países que acolham navios rohingyas à deriva no mar
Família rohingya de Mianmar refugiada em Bazar de Cox, Bangladesh (Foto: UN Photo)

As embarcações dos rohingyas circulam pela costa dos países banhados pela Baía de Bengala e do mar de Andaman, como Bangladesh e Mianmar. As autoridades locais não permitem a nenhuma delas que atraque em seus portos em busca de abrigo.

Bangladesh, que vem recebendo a maior parte desses migrantes, tem acolhido alguns desses navios. A Al Jazeera reportou que alguns têm sido transferidos a uma ilha, Bhasan Char, onde não há infraestrutura e enchentes são comuns.

Em 2017, centenas de milhares de rohingyas fugiram de Mianmar após intensa perseguição. A maioria foi assentada em campos de refugiados na região de Cox’s Bazar, em Bangladesh.

Na ocasião, milhares de refugiados foram deixados para morrer no mar por traficantes de pessoas. Uma crise humanitária varreu a região.

O comunicado foi emitido de forma conjunta por escritórios da ONU. Participaram OIM (Organização Internacional de Migrações), UNHCR (Alto Comissariado para os Refugiados) e Unodc (Escritório para Drogas e Crime).