Ásia e Pacífico

Usina a carvão é nova ameaça ao maior parque nacional do Camboja

Projeto ameaça a biodiversidade do parque e pode comprometer o ecoturismo, que tem enorme potencial econômico na região

O governo do Camboja autorizou a construção de uma usina a carvão dentro do Parque Nacional Botum Sakor, na província costeira de Koh Kong. O projeto estaria embutido em uma nova SEZ (Zona Econômica Especial, da sigla em inglês) de 168 hectares, de acordo com a organização independente China Dialogue

A energia proveniente da queima de carvão caiu em desuso ultimamente, tamanho o impacto ambiental que causa. Em 2020, pela primeira vez, o mundo viu o investimento nesse tipo de fonte energética cair durante seis meses consecutivos. 

No Camboja, porém, esse tipo de usina é comum, e em muitos casos compreende parcerias entre empresas locais e chinesas

Usina a carvão é nova ameaça ao maior parque nacional do Camboja
Parque Nacional Botum Sakor, no Camboja (Foto: Divulgação)

No caso de Koh Kong, o projeto começou no ano passado, em parceria do Royal Grupo, um dos maiores conglomerados energéticos do Camboja, com a chinesa Sinosteel. E não é a primeira iniciativa a colocar em risco a biodiversidade do Parque. 

Em 2008, uma SEZ de 2,2 mil hectares foi concedida ao empresário e político local Ly Yong Phat. A zona, batizada de Koh Kong SEZ, é presidida por um tailandês, Thitidej Tongpatana, e abriga indústrias de peças para veículos Hyundai, Mitsubishi e Toyota. 

Proteção ambiental 

Ambientalistas do grupo Mother Nature Cambodia lutam pela conservação do parque, mas têm enorme dificuldade para acessar a região. A estrada é de uso restrito, e os seguranças só permitem a passagem de quem está ligado às empresas. A outra opção, muito perigosa, é pelo mar. 

“Quem chega lá é imediatamente cercado por seguranças e preso”, disse Alejandro Gonzalez-Davidson, fundador da Mother Nature Cambodia. 

Segundo Gonzalez-Davidson, projetos como a indústria de carvão ajudam a destruir o que poderia ser a maior fonte de renda da região. “Existe ali um enorme potencial para pesca sustentável e ecoturismo”, afirmou.  

Diversidade animal 

O Parque Nacional Botum Sakor é atualmente o habitat de ao menos 44 espécies de mamíferos, incluindo 10% de todos os primatas da espécie gibão-crestado do mundo. O parque abriga, ainda, o mais importante território de elefantes do Camboja. 

De acordo com a ONG Global Forest Watch, a maior parte do desmatamento no parque aconteceu nos últimos cinco anos.