Reservas argentinas continuam diminuindo apesar de controles cambiais

Desde o início do ano, reservas de moeda estrangeira caíram US$ 3 bilhões — um terço desse valor apenas em maio
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

As reservas internacionais argentinas perderam metade de seu valor em um ano e meio. Em maio, o colchão cambial do país bateu US$ 42,6 bilhões, ante cerca de US$ 80 bilhões no início de 2019. As informações são da agência de notícias Reuters.

A velocidade da deterioração é significativa: desde o início de janeiro, as reservas caíram US$ 3 bilhões — US$ 1 bilhão apenas no último mês.

A quantia atual é inferior ao valor total das importações argentinas em 2019. Isso significa que o país já opera muito próximo de uma margem de segurança razoável para arcar com suas obrigações no exterior ou se proteger em caso de turbulência cambial.

Em maio, a cifra atingiu o menor nível desde 2017, diante da luta do país em controlar o novo coronavírus e de uma crise de dívida que se arrasta há anos.

Reservas argentinas diminuem apesar do controle do governo
Notas de dólar norte-americano (Foto: Pexels)

Nas últimas semanas, o banco central do país restringiu o acesso de empresas ao dólar. Já os cidadãos podem comprar apenas US$ 200 em moeda estrangeira por mês, além de pagar taxa.

No ano passado, o país impôs rígidos controles de capital, após um colapso no mercado, que levou a uma grande demanda por moeda estrangeira. O banco central parecia sustentar um peso enfraquecido e os poupadores passaram a usar o dólar como uma moeda segura.

Esse tipo de controle cambial é comum em países com poucas reservas e necessidade de priorizar o acesso a importações fundamentais. Por isso, uma das primeiras táticas dos bancos centrais em cenários como o argentino é limitar o acesso a moeda estrangeira e segurar supérfluos, como consumo e viagens dos cidadãos.

As investidas do banco central ajudaram a manter o peso argentino estável recentemente, mas seu valor em mercados não oficiais caiu, criando uma diferença ainda mais preocupante com a taxa oficial.

Há anos, o governo da Argentina tenta fortalecer a confiança em sua moeda. No país, circulam diversas taxas paralelas de câmbio e a economia já é bastante dolarizada. Aluguéis, por exemplo, são em geral negociados em dólar em cidades como a capital Buenos Aires.

Em paralelo, o governo também tenta reestruturar sua dívida externa, mas enfrenta obstáculos para chegar a um acordo amplo com seus credores privados. O FMI (Fundo Monetário Internacional) também é grande credor da Argentina.

Tags: