Parlamento adia análise de propostas de reformas à monarquia na Tailândia

Para Parlamento tailandês, propostas de reformas não esclarecem quais são os "problemas reais" dos manifestantes
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Em sete páginas, o Parlamento da Tailândia argumentou, na última quinta (24), que o motivo para não dar continuidade à análise das 10 reformas à monarquia do país é a “inconclusão sobre os reais problemas” tratados.

No site oficial do Parlamento, deputados e senadores afirmaram que as reivindicações não apresentam motivos suficientes para manter a discussão e solicitaram que os manifestantes corrijam as demandas.

As propostas foram entregues pelas lideranças dos recentes protestos ao Parlamento na última quarta-feira (23). Os líderes pedem pela redução de poderes do rei Maha Vajiralongkorn, que aumentaram desde que o monarca subiu ao poder em 2016.

Parlamento adia análise de propostas de reformas à monarquia na Tailândia
Momento da prisão do rapper Hockhacker, no dia 18 de agosto, em Bangkok, capital da Tailândia (Foto: Facebook/Grupo Rap Agains Dictatorship)

Mas os protestos que tomaram a capital, Bangkok, desde o dia 8 de agosto não foram suficientes para dissuadir os parlamentares – a maioria partidários do governo.

Entre as reivindicações está a retirada de dispositivos da Constituição do país. Segundo o grupo, as cláusulas favorecem a permanência do primeiro-ministro, Prayuth Chan-ocha, no poder mesmo após o encerramento do seu mandato, registrou o portal Prachatai.

Acusado de corrupção e repressão a dissidentes, os manifestantes pedem que Chan-ocha também deixe o cargo.  

Sem a análise parlamentar das propostas, ativistas e deputados da oposição acusaram o Parlamento de “tentar ganhar tempo”, reportou a Reuters. “Quando as pessoas estão desesperadas por reformas, elas pensam em revolução”, disse o ativista Parit Chiwarak à Reuters. “Mais desespero levará a mais agressão”.

O documento dos manifestantes pela reforma da monarquia tailandesa não afirma diretamente o desejo de tornar o país uma república. Mesmo assim, a hashtag “#RepublicOfThailand” (República da Tailândia, em inglês) tenha foi a mais popular no Twitter do país na sexta (25).

Tags: