Endividado, Líbano prefere “agenda populista”, diz ex-negociador

País tem uma das mais altas dívidas do mundo, e em março deu calote em parte dos débitos em bônus
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Um negociador da dívida externa libanesa, que auxiliava o governo de Beirute nas tratativas com o FMI (Fundo Monetário Internacional) revelou à Reuters que deixou o posto porque não “há vontade genuína” do Líbano de resolver a situação.

O especialista, que não teve sua identidade revelada pela agência, afirmou que o governo tem “optado por ignorar a magnitude” da dívida e “embarcar em uma agenda populista”. “Percebi que não há vontade genuína de implementar reformas ou uma reestruturação do setor bancário”, afirmou.

O país vive sua pior crise econômica desde o fim da guerra civil, que varreu o país entre 1975 e 1990. O FMI (Fundo Monetário Internacional) estima uma retração de 12% no PIB (Produto Interno Bruto) neste ano, enquanto a inflação pode bater 17% em 2020.

Endividado, Líbano prefere "agenda populista", diz ex-negociador
Crise econômica no Líbano é a mais grave em décadas (Foto: Wikimedia Commons)

O Líbano tem uma dívida total de cerca de US$ 92 bilhões, que chega a quase 150% de seu PIB, de acordo com o Banco Mundial.

Em março deste ano, o país não conseguiu honrar compromissos com credores estrangeiros pela primeira vez em sua história. O calote, de US$ 31 bilhões, afetou a dívida emitida em bônus.

O perfil da dívida externa libanesa complica a situação do país: em 2018, 77% do débito vinha de depósitos de não-residentes. A maior parte destes é de curto prazo, ou seja, com vencimento de um ano ou menos.

Sem reservas em moeda forte e com cada vez menores possibilidades de conseguir dinheiro extra, o país iniciou manobras de controle cambial. O mercado paralelo de dólares ganhou espaço ainda maior – a libra libanesa perdeu 70% de seu valor desde outubro de 2019.

Já em 2018 o Fundo avisava que o país vivia forte “sensibilidade a um choque cambial”. Além da dificuldade de captar recursos fora, cada vez que uma moeda se desvaloriza, sua dívida externa, calculada em dólar, fica mais cara.

O país tem negociado um empréstimo emergencial de cerca de US$ 10 bilhões com o FMI, mas o aporte não foi liberado. Para comparação, a uma cota de DES (direitos especiais de saque, moeda escritural do Fundo, baseada na cotação de uma cesta de moedas fortes) do Líbano seria equivalente a US$ 873 milhões.

O Fundo exige como contrapartida evidências sólidas de rigor fiscal para conceder empréstimos a países endividados.

Especialistas do FMI que assinaram o relatório anual sobre o Líbano afirmaram ver muita “resiliência” na economia local e entender os problemas causados pelo conflito na vizinha Síria. Porém, para os técnicos, “a dívida externa libanesa é insustentável”.

Em política macroeconômica, a recomendação é a de um “ajuste fiscal multianual para reduzir a dívida pública a níveis sustentáveis”. Entre as propostas estavam aumentar o imposto sobre valor agregado, cortar subsídios e diminuir as isenções de impostos.

Todos os países-membros, endividados ou não, passam por uma consulta anual – chamada de missão do Artigo 4º – que avalia a saúde de suas finanças.

Tags: