Europa

Russa Gazprom reinicia obra de gasoduto Nord Stream 2 até a Alemanha

Com 1,2 mil quilômetros, Instalação da Gazprom ficou paralisada por um ano após problemas com governo dos EUA

A empresa de energia Gazprom, controlada pela Rússia, reiniciará a obra do mega gasoduto Nord Stream 2 até a Alemanha, confirmaram autoridades ao “Financial Times” no domingo (10). A estrutura tem 1.230 quilômetros.

A construção deve ser reiniciada na sexta-feira (15). O primeiro passo será a instalação de tubos em uma porção do Mar Báltico administrada pela Dinamarca.

A obra ficou parada por mais de um ano após sanções dos EUA. Com o apoio da Polônia e outros países no leste europeu, Washington busca paralisar o projeto e promove as exportações de seu próprio gás para a Europa.

Paralisada por um ano, Gazprom reinicia obra do mega gasoduto Nord Stream 2
Parte dos tubos instalados no mega gasoduto Nord Stream 2 na cidade de Mukran, Alemanha, em outubro de 2019 (Foto: WikiCommons/Gerd Fahrenhorst)

As nações afirmam que o gasoduto é um projeto para aumentar a dependência da UE (União Europeia) aos hidrocarbonetos de Moscou, além inviabilizar os dutos de circulação da commodity que já existem na Ucrânia.

Já a Rússia e Alemanha defendem a iniciativa como “puramente comercial”, forma de atender a crescente demanda por gás no continente. No centro das discussões há anos, o mega gasoduto deve custar 9,5 bilhões de euros – o equivalente a R$ 63 bilhões.

Conclusão prevista até maio

A obra já estava 94% pronta quando foi paralisada, em dezembro de 2019. Com as sanções norte-americanas e o impasse entre Berlim e Moscou após o caso de envenenamento de Alexei Navalny, em agosto, a nova previsão de conclusão ficou para maio.

Apesar de ser propriedade da Gazprom, outras cinco empresas europeias investiram metade dos recursos para o oleoduto – Shell, Uniper, OMV, Wintershall e Engie.

O mega gasoduto integra a estrutura do Nord Stream 1, em operação desde 2011. Os dutos são responsáveis pelo abastecimento de 40% do gás natural consumido pelos alemães. 

Com a conclusão da obra, o Nord Stream 2 adicionará mais 55 bilhões de metros cúbicos de suprimento de gás por ano, ou cerca de 11% do consumo total anual da UE – em 2019, os 27 países do bloco usaram 469 bilhões de metros cúbicos.