Venezuela processa Bank of England por não liberar reservas de ouro

Banco não devolve ouro depositado por Caracas porque Londres não vê Maduro como governante legítimo do país
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

A Venezuela entrou com uma ação judicial de US$ 1 bilhão contra o banco central da Inglaterra, o Bank of England, após a recusa da instituição financeira em liberar o ouro venezuelano em seus cofres. As informações são do jornal britânico Financial Times.

O governo de Nicolás Maduro tenta acessar a reserva para aliviar a crise econômica no país. O PIB do país encolheu cerca de 60% desde que Maduro assumiu o poder, há sete anos. A produção de petróleo caiu para níveis não vistos desde os anos 1940. As sanções impostas pelos EUA também agravam a crise.

Caracas utiliza o Bank of England há décadas e, em 2018, tentou acesso ao ouro, mas não conseguiu. O governo britânico, junto com outros 60 países do mundo, não reconhecem Maduro como líder legítimo da Venezuela. O motivo seria a acusação de que Maduro teria manipulado as eleições presidenciais de 2018. O presidente reconhecido por essas nações, incluindo o Brasil, é Juan Guaidó.

Na última tentativa, o banco central venezuelano argumentou que o ouro seria encaminhado para o Pnud (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento), para a compra de equipamentos médicos e de saúde, que seriam usados no combate contra o coronavírus.

Venezuela processa banco central inglês após recusa de liberação de ouro
Fachada do Bank of England em Londres, na Inglaterra (Foto: Alex Antonescu/Flickr)

Em sua ação judicial, a Venezuela alega que não há motivos para a recusa dos britânicos e que a atitude está privando o país de suas reservas em um momento de emergência nacional e global.

A ONU identificou a Venezuela como um país prioritário na resposta global ao Covid-19, devido ao frágil sistema de saúde. A OMS (Organização Mundial da Saúde) já registrou 824 casos da doença e 10 mortes, até esta sexta (22).

A recusa do banco central inglês se soma a do FMI (Fundo Monetário Internacional), que negou um empréstimo de US$ 5 bilhões solicitado por Maduro para lidar com a pandemia.

Tags: