Oriente Médio

Alto funcionário da ONU afirma que a guerra civil do Iêmen está longe do fim

Secretário-geral adjunto da ONU diz que nenhum progresso foi feito pelas partes no Iêmen para chegar a um acordo político

Nenhum progresso foi feito pelas partes no Iêmen para chegar a um acordo político e assim resolver a guerra civil, que agora está em seu sétimo ano. A alegação é de Khaled Khiari, secretário-geral adjunto da ONU (Organização das Nações Unidas) para Oriente Médio, Ásia e Pacífico, que na segunda-feira (23) reportou a informação ao Conselho de Segurança.

“É imperativo retomar um processo político inclusivo liderado pelo Iêmen para chegar a uma solução negociada para o conflito”, disse Khiari, referindo-se a um plano de paz de 2015, que conclamava por um cessar-fogo em todo o país, a reabertura do aeroporto de Sana’a, a flexibilização das restrições sobre combustível e mercadorias que fluem pelo porto de Hudaydah e a retomada das negociações políticas face a face.

Khiari disse que os rebeldes houthis continuam a impor como condições para sua renovada participação no processo político. Entre elas, a abertura do porto de Hudaydah e do aeroporto de Sana’a, bem como o fim do que chamam de “agressão e ocupação”.


Além disso, as negociações facilitadas pela Arábia Saudita sobre o Acordo de Riade – que se concentraram no retorno do primeiro-ministro e de outros ministros a Áden – ainda precisam ser retomadas após o intervalo do Eid em julho. O progresso oportuno na implementação do acordo continua vital para lidar com as tensões no sul, explicou ele.

Enquanto isso, a atividade militar continua diminuindo, disse Khiari, com combates esporádicos observados em Al Jawf e Taiz. Ma’rib continua sendo o principal foco estratégico.

Em Al Bayda, os ganhos obtidos pelas forças iemenitas apoiadas pela coalizão liderada pelos sauditas foram revertidos pelos houthis, que se deslocaram em direção à fronteira entre as províncias de Ma’rib e Shabwa, ameaçando as principais vias arteriais.

Alto funcionário da ONU afirma que a guerra civil do Iêmen está longe do fim
Família no campo de Al Dhale’e para deslocados pelo conflito no Iêmen (Foto: YPN/Ocha)

Rial em baixa recorde

O Conselho de Transição do Sul ameaçou impor uma taxa de câmbio local independente em Aden e outras áreas sob seu controle no sul do Iêmen, o que complicaria ainda mais os esforços para promover uma recuperação econômica coesa, com o rial, a moeda local, mais desvalorizada que nunca. Atualmente, US$ 1 vale 1 mil rials.

Quanto ao abastecimento de combustível, Khiari disse que apenas três navios comerciais de combustível receberam autorização para atracar no porto de Hudaydah desde julho. Quatro navios de combustível permanecem na área de detenção da coalizão, e todos, exceto um posto de gasolina nas províncias controladas pelos houthis, teriam fechado. A escassez de gás de cozinha aumentou o tempo de espera para um mês para reabastecimento de cilindros vazios.

“Reiteramos nosso apelo ao governo do Iêmen para permitir urgentemente a entrada de todos os suprimentos comerciais essenciais – incluindo navios de combustível – para Hudaydah sem demora”, enfatizou o dirigente da ONU, pressionando todas as partes a priorizar as necessidades civis e se abster de “transformar a economia em arma”.

A violência e as crianças

Henrietta Fore, diretora executiva do Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), reconheceu que pouco mudou desde seu último briefing sobre a situação, há dois anos. “A cada dia, a violência e a destruição causam estragos na vida das crianças e de suas famílias”, ressaltou.

Em 2021, 1,6 milhão de crianças foram deslocadas internamente devido à violência, disse ela, principalmente em Hudaydah e Ma’rib, enquanto os serviços essenciais de saúde, saneamento e educação são “incrivelmente frágeis” e estão “à beira do colapso total”.

Alto funcionário da ONU afirma que a guerra civil do Iêmen está longe do fim
Crianças deslocadas buscam água em acampamento de refugiados mantido pelo governo do Iêmen, abril de 2020 (Foto: Divulgação/Unicef)

Fore disse que quase 21 milhões de pessoas – incluindo 11,3 milhões de crianças – precisam de ajuda humanitária para sobreviver. Cerca de 2,3 milhões de crianças sofrem de desnutrição aguda e 400 mil crianças menores de cinco anos sofrem de desnutrição aguda grave.

“No Iêmen, uma criança morre a cada 10 minutos de causas evitáveis, incluindo desnutrição e doenças evitáveis ​​por vacinas,” ela enfatizou.

Dois milhões de crianças estão fora da escola, e uma em cada seis escolas não pode mais ser usada. Dois terços dos professores – mais de 170 mil deles – não recebem um salário regular há quatro anos, devido ao conflito, colocando mais 4 milhões de crianças em risco de abandono escolar, já que professores não remunerados pedem demissão para encontrar outras formas de sustentar suas famílias.

“Precisamos reabrir o porto de Hudaydah para importação comercial e combustível”, ressaltou. “Milhões podem cair na fome se as importações vitais permanecerem restritas.”

A um passo da fome

A ofensiva na província de Ma’rib e os confrontos ao longo de quase 50 outras linhas de frente supostamente mataram ou feriram mais de 1,2 mil civis, pois o colapso dos serviços públicos privou as pessoas de água potável, saneamento, educação e saúde, e cólera e propagação de COVID-19 livremente sob tais condições.

O produto interno bruto (PIB) caiu 40% desde 2015, uma grande preocupação, já que um quarto da população – incluindo muitos médicos, professores e trabalhadores do saneamento – depende de seus salários como funcionários públicos, que são pagos de forma irregular, isso quando são pagos integralmente.

Iemenitas dependentes de ajuda humanitária aguardam acesso à água potável (Foto: UNPD/Iemen)

Segundo Martin Griffiths, subsecretário-geral para assuntos humanitários da ONU, a economia dizimada está levando o país ao abismo. Cinco milhões de pessoas estão a um passo de sucumbir à fome e às doenças consequentes, enquanto mais 10 milhões podem atingir esse estágio em breve.

“A fome não é apenas um problema alimentar, é um sintoma de um colapso muito mais profundo”, alertou Griffiths. Segundo ele, as pessoas estão morrendo de fome não porque não há comida, mas porque não podem pagar por isso.

Griffiths explicou que as rendas estão desaparecendo, especialmente os salários dos funcionários públicos, que representam um quarto da população: o colapso da moeda iemenita é particularmente desastroso para um país tão fortemente dependente de importações.

O subsecretário-geral pediu o fim da especulação e a implementação de um cessar-fogo definitivo, que daria aos civis desesperados uma pausa e criaria o espaço necessário para lidar com os impulsionadores da crise.

Conteúdo adaptado do material publicado originalmente em inglês pela ONU News