Evergrande tem US$ 2,1 bilhões apreendidos e enfrenta novos pedidos de ação legal

Com dinheiro retido por credores, incorporadora chinesa anunciou que será forçada a adiar a divulgação de seu balanço anual
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

A Evergrande, gigante chinesa do setor imobiliário, teve cerca de US$ 2,1 bilhões em dinheiro apreendidos por bancos, declarou na terça-feira (22) uma companhia do mesmo conglomerado, ao anunciar o adiamento da divulgação de seu balanço anual. As informações são do portal El Palco.

Diante da situação de dinheiro retido, a empresa sinalizou que perderá o prazo de 31 de março para divulgar os resultados auditados para 2021, justificando que o trabalho de auditoria em suas finanças não poderia ser concluído a tempo.

Após deixar os investidores às escuras sobre depósitos em sua unidade de serviços imobiliários, os valores agora estão sendo reivindicados. O anúncio veio da Evergrande Property Services, que informou que alguns de seus credores “fizeram a inesperada exigência de cerca de 13,4 bilhões de yuans (US$ 2,1 bilhões) de seus depósitos bancários”, que foram prometidos por “garantias de terceiros”.

China Evergrande Group: crise ameaça crescimento econômico da China (Foto: Wikimedia Commons)

Os credores não foram revelados, e a unidade se limitou a informar que os bancos assumiram o controle do dinheiro e que um comitê independente para investigar a situação seria criado.

No ano passado, quando a pujante atividade do setor de imóveis da China colapsou, a Evergrande deixou de pagar dívidas, tornando-se a incorporadora mais endividada do mundo, com déficit de US$ 300 bilhões.

Ações legais

Uma fonte diretamente a par da situação disse que, diante do bloqueio do dinheiro, estão em andamento planos de novas ações legais contra a empresa. Segundo o portal International Investment, os investidores sentiram que “não tinham escolha” a não ser levar a Evergrande à Justiça diante dessa revelação.

Os investidores em dívida – que incluem as consultorias de investimento Saba Capital, Redwood Capital Management e Ashmore – se reuniram na terça (22) e deram instruções aos advogados para que realizassem uma análise legal necessária para decidir se medidas devem ser tomadas contra a incorporadora.

A Evergrande garantiu aos investidores os planos de reestruturação da dívida serão entregues até o final de julho deste ano. A empresa, que deixou de pagar US$ 22,7 bilhões em dívidas no exterior em dezembro de 2021, também se comprometeu em “melhorar ainda mais as comunicações”.

Foi o segundo golpe somente nesta semana. Na segunda-feira (21), a incorporadora teve suspensa a negociação de suas ações na bolsa de Hong Kong. A empresa agora deve informar às autoridades locais sobre como sua reestruturação e o destino de investidores internacionais serão executados

Inadimplente

A gigante chinesa, que já foi líder de vendas no país, foi taxada como inadimplente pela agência de classificação de risco de crédito Fitch Ratings em dezembro. A declaração reflete a incapacidade da empresa de honrar os juros devidos.

A Evergrande se tornou um símbolo das dificuldades enfrentadas pela economia da China e seu outrora próspero setor imobiliário. Depois de expandir e tomar empréstimos a uma velocidade vertiginosa, a incorporadora alega que tem lutado para juntar o dinheiro que precisa para honrar dívidas em atraso, empréstimos pendentes e salários atrasados ​​para os trabalhadores que construíram inúmeros de seus imóveis em toda a China.

Tags: