ARTIGO: A pandemia obscurece a recuperação na América Latina e Caribe

Especialistas debatem papel do sistema financeiro e dos governos para impulsionar a retomada em meio à pandemia
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Este artigo foi publicado originalmente no Blog do FMI (Fundo Monetário Internacional).

por Samuel PienknaguraJorge Roldós e Alejandro Werner, do Departamento do Hemisfério Ocidental do FMI*

O impacto da Covid-19 tem sido mais intenso na América Latina e Caribe do que em outras partes do mundo, tanto em termos humanos como econômicos. O custo humano relativamente elevado é óbvio: com apenas 8,2% da população mundial, a região respondia por 28% dos casos e 34% dos óbitos até o fim de setembro.

O relatório “Perspectivas Econômicas: As Américas” projeta uma contração de 8,1% no PIB real em 2020. Ao contrário de recessões anteriores, o declínio no emprego foi maior do que a queda do PIB (Produto Interno Bruto) no segundo trimestre de 2020, chegando a 20%, em média, nas cinco maiores economias e até 40% no Peru.

Duas características econômicas estruturais da América Latina e Caribe contribuíram para o impacto relativamente maior: há relativamente mais pessoas trabalhando em atividades que exigem proximidade física e menos pessoas com empregos em que o teletrabalho é viável.

ARTIGO: A pandemia obscurece a recuperação na América Latina e Caribe
A cidade de Cartagena, na Colômbia, em imagem de 2016 (Foto: UN Photo/Rick Bajornas)

Quase 45% dos empregos estão em setores onde proximidade física é necessária (como restaurantes, comércio ou transportes públicos), em comparação com pouco mais de 30% nas economias de mercados emergentes. Por outro lado, apenas cerca de um em cada cinco empregos pode ser desempenhado remotamente – metade do observado nas economias avançadas e abaixo da média das economias emergentes (26%).

Essas características, mais um alto grau de informalidade e pobreza, combinaram-se com a diminuição do comércio e a turbulência financeira causadas pela desaceleração da economia global, para produzir um colapso histórico na atividade econômica.

Recuperação desigual…

A atividade econômica começou a se recuperar em maio, estimulada pela flexibilização gradual das quarentenas, a adaptação de consumidores e empresas ao distanciamento social, significativas ações de apoio dos governos em alguns países e um ambiente externo mais favorável.

Contudo, as taxas ainda elevadas de contágio e mortalidade fazem com que a reabertura seja relativamente lenta, por conta da preocupação com a capacidade dos governos de gerir a situação e a resiliência dos sistemas de saúde.

A contração foi menos pronunciada em alguns países, como Brasil, Costa Rica e Uruguai que, em julho, já haviam praticamente recuperado o terreno perdido desde janeiro.

Muitos, sobretudo na América Central, foram favorecidos por uma forte recuperação nas remessas e exportações, combinada com os baixos preços do petróleo. Já outros, por exemplo Equador e Peru, sofreram grandes colapsos, e a atividade econômica continuava contraída em julho.

Dependentes do turismo para entre 20 e 90% do PIB e empregos, os países do Caribe sofreram o impacto mais intenso. Apesar do relativo êxito em conter a propagação do vírus, a interrupção repentina do influxo de turistas e as quarentenas paralisaram a atividade econômica.

…E sequelas profundas

No segundo trimestre, Brasil, Chile, Colômbia, México e Peru perderam um total de 30 milhões de empregos, e as maiores perdas ocorreram entre as mulheres, os jovens e os trabalhadores com baixa escolaridade.

Ainda que muitos empregos sejam recuperados com a retomada da atividade, as estimativas apontam para perdas duradouras na renda, com a potencial perda de avanços sociais alcançados até 2015. Projeta-se um aumento significativo da pobreza, exacerbando a disparidade de renda, já entre as mais elevadas do mundo antes da pandemia.

A recuperação provavelmente será demorada. Nossa projeção é de crescimento de 3,6% em 2021. Na maioria dos países, o PIB não voltará aos níveis pré-pandemia antes de 2023 e a renda real per capita, não antes de 2025, mais tarde do que em qualquer outra região.

ARTIGO: A pandemia obscurece a recuperação na América Latina e Caribe
Hondurenha vende produtos para casa após receber recursos via microcrédito (Foto: UN Photo/Mark Garten)

As perspectivas futuras serão moldadas pelo impacto da pandemia na demanda externa e interna e pelas sequelas que a crise deixará na capacidade de produção a médio prazo. A recuperação longa e incerta da economia global significa perspectivas pouco promissoras para as exportações.

No âmbito doméstico, o consumo de bens e serviços que requerem contato físico deverá continuar retraído até que a pandemia seja controlada, e a renda poderá continuar debilitada mesmo depois disso. A demanda fraca e a incerteza resultantes desse processo inibirão os investimentos a médio prazo.

Parte da perda de empregos provavelmente será permanente, reduzindo o crescimento potencial, sobretudo onde o apoio fiscal tiver sido tímido.

Prioridades de políticas

As políticas arrojadas adotadas por muitos governos foram essenciais para mitigar o impacto econômico e social da pandemia, mas deixam um legado de maior endividamento público e privado.

As ações devem continuar concentradas em contar a pandemia e consolidar a recuperação. A retirada prematura do apoio fiscal deve ser evitada. Contudo, a manutenção desse suporte deve vir acompanhada de compromissos específicos, legislados e claramente comunicados de consolidar e restaurar as reservas fiscais a médio prazo.

Uma vez controlada a pandemia e com a recuperação em curso, esses compromissos terão de ser cumpridos, com o reforço das âncoras de médio prazo e reformas estruturais fiscais: melhorar os estabilizadores automáticos, as redes de segurança social e o acesso à saúde e educação, e preservar o investimento público.

A regulamentação financeira terá de lidar com os potenciais riscos à estabilidade financeira que decorrerão da crise. A parcela da dívida empresarial em risco (quando os lucros são menores do que as despesas com juros) dobrou de 14% em dezembro último para 29% em junho e poderia aumentar mais se o cenário for desfavorável em 2021.

ARTIGO: A pandemia obscurece a recuperação na América Latina e Caribe
Centro de Bridgetown, capital da ilha caribenha de Barbados (Foto: CreativeCommons)

Será essencial reestruturar a dívida para restaurar a solidez financeira das empresas viáveis. No caso das empresas inviáveis, será necessário dispor de quadros eficientes e equitativos de falência, que distribuam as perdas entre investidores, credores, proprietários, trabalhadores e governos.

Apesar da deterioração nos balanços das empresas, os bancos latino-americanos continuam sólidos, tendo entrado entraram na pandemia com bonds fundamentos, amplas reservas de capital e liquidez e baixa inadimplência. A maioria conseguiria manter coeficientes de capital acima do mínimo regulatório, mesmo em um cenário de deterioração econômica.

Contudo, com a retomada da atividade, os bancos terão de recompor o capital para assegurar a estabilidade financeira a médio prazo. Os países deverão monitorar as instituições mais frágeis caso a pandemia persista e cause uma recessão mais prolongada e profunda.

Uma recuperação menos vigorosa e a continuação da pandemia forçarão os governos a tomar decisões mais difíceis. As sequelas da crise e o menor crescimento potencial somam-se aos problemas de curto prazo.

Ainda que reformas estruturais possam reforçar a confiança e estimular a recuperação, sobretudo se lançarem os alicerces de um processo de crescimento mais sustentável e inclusivo no futuro, os legados da pandemia obscurecem as perspectivas já incertas para a região.

* Samuel Pienknagura é Economista na Divisão de Estudos Regionais do Departamento do Hemisfério Ocidental do FMI. Jorge Roldós é Diretor Adjunto do Departamento do Hemisfério Ocidental do FMI. Alejandro Werner assumiu o cargo de Diretor do Departamento do Hemisfério Ocidental do Fundo Monetário Internacional em janeiro de 2013.

Tags: