Doador dos conservadores nos EUA, bilionário Sheldon Adelson morre aos 87

Empresário dono de cassinos e hotéis de luxo morreu em decorrência de câncer no sangue na segunda (11)
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Morreu na noite desta segunda-feira (11) o bilionário Sheldon Adelson, aos 87 anos. Grande aliado do presidente dos EUA, Donald Trump, Adelson destinava parte de seus lucros dos impérios de cassinos e hotéis de luxo a causas de direita.

Adelson morreu por complicações de um linfoma não-Hodgkin, tipo de câncer no sangue, confirmou a sua empresa Las Vegas Sands ao jornal “The New York Times”. O local da morte não foi divulgado.

Filho de um motorista de táxi, o bilionário amealhou sua fortuna de mais de US$ 40 bilhões com cassinos e resorts em Las Vegas (EUA), Macau (China) e Singapura.

Financiador de pautas conservadoras, bilionário Sheldon Adelson morre aos 87
O bilionário Sheldon Adelson em Las Vegas, novembro de 2013 (Foto: CreativeCommons/ECG)

Entre os dez mais ricos do mundo, Adelson era adepto da agenda da direita e financiou movimentos nas Américas e em Israel. Em 2012, tornou-se o maior doador político dos EUA após a Suprema Corte remover limites de contribuições em campanhas eleitorais.

A aproximação com Donald Trump ocorreu em maio de 2016, quando o empresário passou a ser considerado um concorrente viável à candidatura republicana para a Presidência.

A doação para a campanha do atual presidente, que deixa o cargo no próximo dia 20, foi de cerca de US$ 25 milhões.

À época, Adelson disse à Forbes que estava disposto a gastar US$ 100 milhões para derrotar o democrata Barack Obama. Adelson deixa cinco filhos – três de sua primeira esposa, de quem se divorciou em 1988, e outros dois da médica israelense Miriam Farbstein Ochshorn.

Outros US$ 5 milhões foram doados apenas para a comemoração da vitória eleitoral, em novembro de 2016. No governo Trump, Adelson alcançou pelo menos um de seus objetivos de longa data: a transferência da embaixada dos EUA de Tel Aviv para Jerusalém, em 2018.

Relação com Israel

A relação do empresário com Israel vem de seu pai, descendente de judeus ucranianos e lituanos. Adelson é proprietário de importantes veículos conservadores de mídia na região e apoiou a eleição do atual premiê Benjamin Netanyahu.

Em vida, se opôs à criação de um Estado palestino e favoreceu o assentamento de israelenses em territórios ocupados na Cisjordânia.

Além de Trump, o empresário também destinou recursos às campanhas presidenciais de George W. Bush, em 2004, e Mitt Romney, em 2012. O ex-deputado e ícone conservador Newt Gingrich também recebeu doações.

Tags: