Dois jornalistas são queimados vivos por quadrilha em Porto Príncipe, no Haiti

Louissaint Wilguens e John Wesley Amady foram baleados e queimados ainda vivos quando trabalhavam em uma região violenta da cidade
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Dois jornalistas haitianos foram baleados e queimados ainda vivos por uma quadrilha em Porto Príncipe, a capital do Haiti, na quinta-feira (6). O crime ocorreu no bairro de Petion-Ville, e um terceiro profissional de imprensa que estava com as vítimas conseguiu escapar, segundo a rede norte-americana CNN.

Louissaint Wilguens e John Wesley Amady trabalhavam em uma reportagem justamente sobre a falta de segurança na área quando foram surpreendidos por membros da gangue Ti Makak. A Radio Écoute FM, de Montreal, da qual Amady era funcionário, disse em comunicado que ele “foi ferozmente baleado e queimado vivo por bandidos armados”.

“Condenamos com o máximo rigor este ato criminoso e bárbaro”, disse o veículo de imprensa, que suspendeu suas operações temporariamente, “em sinal de solidariedade para com a família da vítima”. No comunicado, a rádio classifica o crime como “grave atentado ao direito à vida” e aos “jornalistas que exercem livremente sua profissão neste país”.

Violência afastou população das ruas da capital do Haiti, Porto Príncipe (Foto: Minujusth/Leonora Baumann)

Violência contra jornalistas

Em meio à violência que impera na capital haitiana nos últimos anos, os jornalistas têm se tornado um alvo habitual, com um histórico de impunidade nos casos.

O popular jornalista local Jean Dominique foi assassinado em abril de 2000, um crime até hoje sem solução. Já em março de 2018, o fotojornalista Vladjimir Legagneur foi morto no bairro de Martissant, uma das áreas atualmente controladas pelas gangues.

As autoridades haitianas também continuam investigando os possíveis assassinatos de outros dois jornalistas ocorridos em junho e outubro de 2019. Em outro caso de impunidade, o jornalista Diego Charles, um ativista político da oposição, junto de 13 outras pessoas foram mortos em junho de 2021. Nenhum criminosos foi identificado.

Por que isso importa?

Dados divulgados pela Unesco (Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura) no início de 2022 apontam que 55 jornalistas e profissionais de mídia foram assassinados em todo o mundo em 2021. Embora este seja o menor índice em uma década, a impunidade para estes crimes continua sendo uma realidade, com os jornalistas enfrentando altos riscos durante o trabalho.  

Os dados coletados pelo Observatório da Unesco sobre Jornalistas Assassinados apontam que dois terços das mortes aconteceram em países que não estão passando por conflito armado, o que mostra os riscos para os profissionais que apenas contam a verdade, seja onde for.  

A agência da ONU destaca, ainda, que essa tendência é completamente diferente da situação de alguns anos atrás. Em 2013, por exemplo, dois terços dos assassinatos de jornalistas aconteceram em países em conflito. Já no ano passado, a maioria das mortes aconteceu na Ásia-Pacífico, onde 23 profissionais da mídia foram assassinados, e na América Latina e Caribe, com 14 casos.  

A Unesco revela também que 87% de todos os crimes contra jornalistas ocorridos desde 2006 continuam sem solução. Além dos assassinatos, muitos profissionais do setor continuam sujeitos a altos índices de violência física, de intimidação, de assédio e com risco de serem presos, que podem acontecer inclusive durante a cobertura de protestos de rua.  

As mulheres jornalistas são ainda vítimas de assédio virtual. Uma pesquisa divulgada em abril do ano passado mostra que três quartos das profissionais confirmaram terem sido atacadas online por motivos ligados ao trabalho.  

Tags: