Fragmentada, oposição da Bolívia desiste de frente para eleições regionais

Eleitores bolivianos voltam às urnas em março de 2021 para escolher os governadores e prefeitos; Camacho deve concorrer
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Os partidos de oposição ao MAS (Movimento pelo Socialismo) de Evo Morales não conseguiram formar uma coalizão e desistiram da frente única para as eleições regionais de março de 2021 na Bolívia. O jornal “El Deber”, de Santa Cruz de la Sierra, registrou a movimentação.

Grupos políticos como o CC (Comunidad Ciudadana), Creemos e MDS (Movimento Social Democrata) optaram por seguir a disputa separados apesar dos apelos internos pela unificação.

As discordâncias não foram suficientes para combater a sigla eleita novamente para chefiar o país, com o economista Luis Arce, após o motim que forçou a renúncia de Morales no final de 2019.

“Unidade não significa que estamos todos na mesma frente. Não existe continuidade na mesa de trabalho”, disse o líder de extrema direita Luis Fernando Camacho sobre o fracasso da frente única.

Fragmentada, oposição da Bolívia desiste de frente única para eleições regionais
O ex-ministro de Defesa da Bolívia e líder da extrema direita do país, Luis Fernando Camacho, em pronunciamento na capital dos EUA, Washington, em dezembro de 2019 (Foto: Flickr/Inter-American Dialogue)

Camacho, que foi o ministro da Defesa durante o governo interino da conservadora Jeanine Áñez, é cotado para liderar a chapa do Creemos para a província de Santa Cruz, a maior do país.

No dia 5, Carlos Mesa decidiu não estimular alianças entre o CC e outros partidos em La Paz. “Podemos votar melhor sozinhos que em grupo”, disse o político moderado, que ficou na vice-liderança na disputa contra Arce.

Entre a oposição da Bolívia, há registro de acordos entre o CC e Creemos em Beni e Tarija. Na província de Oruro, os democratas se uniram na cidade de Ayni.

Enquanto isso, Morales recomendou que os líderes do MAS busquem as alianças e candidatos com a “cabeça fria”. O partido tenta solidificar sua influência regional após a eleição de Arce.

Tags: