ONU: América do Sul transforma-se livre de tabaco em lugares públicos

Paraguai é último país a proibir consumo em locais fechados; fumo é a principal causa evitável de morte do mundo
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Este conteúdo foi publicado originalmente na agência ONU News, da Organização das Nações Unidas

A Opas (Organização Pan-Americana da Saúde) felicitou o Paraguai por proibir o uso de produtos de tabaco em espaços públicos fechados bem como em áreas externas lotadas. 

Com o decreto, aprovado em dezembro, o país juntou-se às demais nações sul-americanas no cumprimento da Convenção-Quadro da OMS (Organização Mundial da Saúde) para o Controle do Tabaco. 

Conforme a diretora da Opas, Carissa Etienne, o país deu um grande passo para proteger seus cidadãos das consequências para a saúde, assim como sociais, ambientais e econômicas do fumo e da exposição à fumaça do tabaco.

Pelo novo decreto, fumar cigarros, normais ou eletrônicos, só fica permitido em espaços públicos abertos e que não sejam áreas de trânsito para não fumantes. 

ONU: América do Sul transforma-se em região livre de tabaco em lugares públicos
Fumante em local desconhecido (Foto: CreativeCommons)

Questão de saúde pública 

Para a chefe do Secretariado da Convenção-Quadro da OMS sobre o tema, Adriana Blanco, este é um grande momento não só para a saúde dos paraguaios, mas para toda a região da América do Sul.

“Ambientes livres de fumaça protegem as pessoas da exposição ao tabaco”, afirmou Blando. “Além disso, também encorajam fumantes a largarem o vício e desanimam indivíduos de consumir tabaco, principalmente jovens”, afirmou.

Segundo o Ministério da Saúde do Paraguai, 3 mil pessoas morrem no país todos os anos devido a doenças associadas ao tabaco. Além disso, a pandemia de Covid-19 demonstrou as consequências do uso do tabaco na saúde. 

O tabaco é a principal causa evitável de morte em todo o mundo. Segundo a OMS, mata cerca de 8 milhões de pessoas por ano. Mais de 40% dos óbitos relacionados ao tabaco têm origem em doenças pulmonares como câncer, enfermidades respiratórias crônicas e tuberculose. 

Cerca de 3,3 milhões de consumidores e pessoas expostas ao fumo passivo morreram de doenças pulmonares em 2017. O fumo passivo tira a vida de mais de 60 mil crianças com menos de cinco anos.

Aquelas que vivem até a idade adulta estão mais propensas a desenvolver doença pulmonar obstrutiva crônica em períodos posteriores do seu desenvolvimento. 

Tags: