ONU: OMS declara 2021 o Ano dos Trabalhadores de Saúde e Cuidadores

Definição é reconhecimento a dedicação dos milhões de trabalhadores da saúde no combate à pandemia
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Material veiculado originalmente na agência de notícias da ONU (Organização das Nações Unidas)

Os trabalhadores de saúde têm um papel fundamental em assegurar saúde e bem-estar para a população. Este ano, eles têm demonstrado dedicação, sacrifício e compromisso extremos não só para fazer este trabalho, mas também para vencer a pandemia da Covid-19.

Com esse reconhecimento, os participantes da 73ª Assembleia Mundial da Saúde, que ocorre em Genebra, anunciaram 2021 como o Ano Internacional dos Trabalhadores de Saúde e Cuidadores.

ONU: OMS declara 2021 o Ano Internacional dos Trabalhadores de Saúde e Cuidadores
Profissional da saúde pesa as crianças para prevenir a desnutrição na comunidade de Sidorejo, na província de Java Central, Indonésia, em julho de 2020 (Foto: Unicef/Fauzan Ijazah)

Revisão

Para os integrantes do evento, realizado de forma virtual, é preciso responder aos desafios enfrentados pelos profissionais e urgência criada pela crise global do novo coronavírus.

O encontro também discutiu o aumento da migração de trabalhadores internacionais de saúde como parte do aniversário e revisão do Código Global da OMS de Prática sobre Recrutamento Internacional do Pessoal de Saúde.

Em todo o mundo, a Covid-19 já contaminou mais de 51 milhões de pessoas causando pelo menos 1,2 milhão de mortes. Uma das regiões mais afetadas, as Américas notificaram somente na semana passada, 150 mil novos casos.

Numa entrevista a jornalistas, em 11 de novembro, o vice-diretor da Opas (Organização Pan-Americana da Saúde), Jarbas Barbosa, informou que o número de contaminações tem crescido na região. Os Estados Unidos, por exemplo, já somam mais de 16,5 milhões de casos.

Ameaça

Na América do Sul, Chile, Paraguai e Uruguai conseguiram achatar a curva de contaminação. Mesmo assim, o vírus continua uma ameaça.

A Opas diz que vários países da Europa, que passam por uma segunda onda de contaminação, devem servir de exemplo para as nações latino-americanas e caribenhas.

Barbosa voltou a afirmar que para controlar o vírus é preciso manter o sistema de vigilância que detectam as altas nos casos da Covid-19 e as medidas de prevenção como uso de máscaras, distanciamento social, medidas de higiene e outros protocolos.

ONU: OMS declara 2021 o Ano Internacional dos Trabalhadores de Saúde e Cuidadores
A enfermeira Saraswati Prajapati aplica a vacina contra rubéola em menino no centro de imunização de Kalanki, Nepal, em julho de 2020 (Foto: Unicef/Laxmi Prasad Ngakhusi)

Isolamento

O médico informou que a maioria dos países do Caribe também estão combatendo o vírus de maneira adequada. No início da semana, a Opas anunciou o envio de novos testes rápidos de Covid-19 nas Américas.

Ao todo, foram 190 mil novos testes para diagnóstico rápido doados a quatro países – Equador, El Salvador, Honduras e Suriname. Os suprimentos partiram do estoque da Opas no Panamá.

Perigo

Com a passagem do furacão Eta pela América Central, o sistema de saúde de Honduras sofreu um grande baque colocando em perigo o combate à pandemia.

A chefe da Opas, Carissa Etienne, disse que os testes vão ajudar trabalhadores de saúde à frente da luta contra a Covid-19 para melhor gerenciar o isolamento de pacientes.

A líder da agência acredita que se forem distribuídos, maciçamente através da região, esses testes devem ajudar a transformar a resposta da região à Covid-19. Os exames integram o Acelerador da OMS para o acesso a vacinas, tratamentos e terapias contra a Covid-19.

Tags: