China celebra aniversário do Tibete com apelo pela aceitação do regime comunista

A comemoração no "Telhado do Mundo", uma das regiões mais fechadas e politicamente sensíveis do país, ocorreu nesta quinta-feira
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

A China comemorou nesta quinta-feira (19) o 70º aniversário da fundação da Região Autônoma do Tibete. Cerca de 10 mil pessoas participaram do evento em Lhasa, capital do chamado “Telhado do Mundo”, noticiou a agência qatari Al Jazeera. A celebração trouxe também um apelo de Beijing aos tibetanos que reivindicam independência, para que aceitem o governo do PCC (Partido Comunista Chinês).

“O Tibete só pode se desenvolver e prosperar sob a liderança do partido e do socialismo”, disse Wang Yang, que chefia uma organização nacional responsável por unir todas as etnias e partidos sob a liderança do PCC.

A ocupação chinesa em uma das regiões mais fechadas e politicamente sensíveis do país começou em 1950, quando as tropas do ELP (Exército de Libertação Popular) invadiram o Tibete e assumiram o controle em um episódio que se convencionou chamar de “libertação pacífica”. Na ocasião histórica, a artilharia esmagou a resistência tibetana, executou os guardas do líder espiritual e destruiu mosteiros de Lhasa. Diante do cenário de destruição, o 14º Dalai Lama Tenzin Gyatso fugiu para a Índia.

Palácio de Potala, local sagrado para os budistas tibetanos (Foto: Antoine Taveneaux/Wikimedia Commons)

Uma transmissão ao vivo em todo o país da celebração apresentou a celebração ocorrida aos pés do icônico Palácio de Potala, um local sagrado budista associado aos Dalai Lamas. As imagens deram destaque a um retrato de quatro andares do presidente Xi Jinping.

Culto à personalidade

Nas décadas de 1950 e 1960, os propagandistas do PCC costumavam exibir extensivamente os retratos de Mao Tsé-Tung em comícios e celebrações, estimulando o culto à personalidade de seu grande líder.

A maioria dos líderes que sucederam Mao proibiram a prática. Já sob o governo de Xi Jinping, seus retratos individuais, bem como aqueles em que o presidente aparece ao lado dos líderes anteriores, foram espalhados no Tibete.

Os líderes ateus do partido em Beijing também não medem esforços para cultivar a lealdade entre os tibetanos, muitos dos quais são budistas devotos e tradicionalmente veem o Dalai Lama como seu líder espiritual.

Dalai exilado

Beijing classifica Tenzin Gyatso, o atual Dalai Lama em exílio na Índia, como um “separatista perigoso”. No lugar dele, foi reconhecido o atual Panchen Lama, instituído pelo partido, como a mais alta figura religiosa do Tibete.

Como uma marca do domínio do partido sobre o budismo tibetano, Wang presenteou o Panchen Lama com uma placa comemorativa na cerimônia.

Tags: