Vazamento de gás na Índia é alerta para indústria química, diz ONU

Doze morreram e mil ficaram doentes após vazamento em fábrica sul-coreana em Visakhapatnam, leste do país
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

O vazamento de gás em uma fábrica de polímeros de uma empresa sul-coreana no sudeste da Índia, no último dia 7, é alerta para que a indústria química cumpra responsabilidades de direitos humanos.

A crítica vem de Baskut Tuncak, especialista independente da ONU (Organização das Nações Unidas) que monitora o assunto. O desastre matou doze pessoas e deixou mais de mil doentes na cidade de Visakhapatnam.

Segundo a polícia local, ouvida pelo jornal britânico The Guardian, o acidente ocorreu na volta ao trabalho após a flexibilização das restrições impostas pelo governo em março.

O vazamento ocorreu em dois tanques de 5 mil toneladas de estireno em sua forma líquida.

A substância é usada para fazer plástico, mas também pode causar câncer, danos neurológicos e prejudicar o sistema reprodutor humano.

Os impactos podem passar despercebidos por anos após a exposição ao composto.

Vazamento de gás na Índia é alerta para indústria química, diz ONU
Vista de Visakhapatnam, na Índia (Foto: Wikimedia Commons)

Union Carbide

Não é a primeira vez que a Índia é vítima de um acidente do tipo. Em 1984, quatro mil pessoas morreram após um vazamento de gás em um fábrica norte-americana Union Carbide em Bhopal, região central do país.

Centenas morreram após sequelas tardias. O vazamento em 1984 também teria ocorrido após interrompimento na produção. Nos dois casos, o problema ocorreu durante a noite.

Em 1984, o então presidente da empresa, um cidadão norte-americano, se recusou a voltar à Índia para enfrentar as acusações.

A Union Carbide pagou apenas US$ 470 milhões ao governo indiano, em um acordo extrajudicial. Em 2010, oito indianos foram condenados a dois anos de prisão no caso.

Tags: