China mira liderança na distribuição de vacinas da Covid-19 na América Latina

Para EUA, Beijing foca em estratégia de 'diplomacia de vacinas' para avançar na América Latina em disputa
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

A China já se prepara para inaugurar a distribuição das vacinas à Covid-19 em toda América Latina. Os EUA, por sua vez, classificam o interesse no continente como estratégia para uma “diplomacia de vacinas”, disse o jornal “The New York Times”.

Segundo Craig Faller, principal comandante militar dos EUA para a América Central e do Sul, a China está fazendo acordos para implantar e empregar a imunização o quanto antes. Já Washington está “procurando cuidar dos EUA primeiro”, disse.

Apesar de nenhum dos países latino-americanos já ter aprovado uma vacina, desenvolvedores chineses, como o Sinovac Biotech já colaboram com o Brasil nos testes de estágio final para verificar a eficácia das doses.

China quer inaugurar distribuição de vacinas da Covid-19 na América Latina
Profissional da saúde coleta amostra para teste à Covid-19 na cidade de Tianjin, ao norte da China, em novembro de 2020 (Foto: Xinhua)

Enquanto isso, o Méxicoassinou um acordo de compra antecipada de mais de 35 milhões de doses únicas com a CanSino Biologics. O México faz parte do apoio nos ensaios clínicos.

Em tensão comercial e tecnológica com Beijing, Washington vê o movimento como uma “disputa por influência” na América Latina, considerada o “quintal” dos norte-americanos.

“Estamos em uma pandemia e toda ajuda é bem vinda. Se a vacina funcionar, as pessoas precisam aceitá-la como nação”, afirmou Faller. Ainda assim, a implantação das doses como “porta diplomática” pode prejudicar os EUA no Canal do Panamá.

“É um ponto de estrangulamento significativo no caso de um grande conflito global“, apontou. O mesmo pode ocorrer se a China alcançar negócios e aproximar laços com o México e as Bahamas.

Diplomacia em expansão

Além das vacinas, os EUA já chamaram atenção para a expansão da diplomacia chinesa na América Latina com empréstimos e subsídios a projetos de infraestrutura.

Outros exemplos são as recentes remessas de suprimentos médicos em meio a pandemia e a estação de controle de missões espaciais na Patagônia.

Apesar de ter sido o primeiro país a registrar a agressividade do novo coronavírus, a China mostrou uma recuperação em tempo recorde e já trabalha para reduzir as medidas de contenção econômica geradas pela crise.

Tags: