Força-tarefa da ONU pede ação uniforme na aviação durante pandemia

Medidas iguais na maioria dos países ajudam a aumentar confiança de turistas e impulsiona recuperação do setor
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Uma força-tarefa da ONU sobre aviação pede para que as companhias aéreas, aeroportos e países adotem uma abordagem única em relação à segurança contra o novo coronavírus. As informações são da agência de notícias Reuters.

O pedido seria uma forma de uniformizar as medidas de recuperação do setor aéreo, um das mais atingidos pela crise de saúde pública mundial.

Sobre o distanciamento social, por exemplo, há recomendação para manter distância de pelo menos um metro. Porém, não foram definidas medidas específicas para cumprir o distanciamento dentro das aeronaves.

“Os países e a indústria precisam trabalhar juntos para estabelecer medidas harmoniosas ou mutuamente aceitas, baseadas na proteção dos passageiros, tripulação e outros funcionários durante todo o processo”, afirmou a força-tarefa.

Durante a pandemia, as regras para a aviação mudaram e são diferentes em quase todos os países. Segundo especialistas ouvidos pela Reuters, um conjunto de práticas homogêneas ajudará a recuperar a confiança dos passageiros.

Desde 2001, após os atentados de 11 de setembro, nos EUA, não há mudanças nas regras de segurança para viagens aéreas.

Força-tarefa da ONU pede ação uniforme para aviação durante pandemia
Medidas de segurança no Aeroporto Jorge Chávez, no Peru (Foto: Ministério da Saúde do Peru/Reprodução)

Fronteiras fechadas

Na última sexta (29), a OMT (Organização Mundial do Turismo) apresentou um relatório que aponta a flexibilização nas medidas de restrição, relacionadas às viagens aéreas, em alguns países. Ao todo, 3% dos destinos globais estão adotando medidas mais brandas.

Segundo a OMT, apesar das flexibilizações, a totalidade dos destinos globais ainda apresenta algum grau de restrição. Desse total, três em cada quatro países mantêm as fronteiras fechadas para o turismo internacional.

O relatório aponta ainda que 24% dos países têm restrições há pelo menos três e 37% adotaram medidas contra a disseminação do vírus relacionadas as suas fronteiras há dois meses e meio.

A maior parte das restrições está nas Américas, com 86% da região adotando o fechamento de fronteiras. Em seguida estão África e Europa, com 74%. O Oriente Médio adotou medidas de restrição para a aviação em 69% de seu território, e a Ásia-Pacífico, em 67%.

Tags: