Número de viajantes pode cair em 1,2 bilhão até setembro

Organização da Aviação Civil Internacional prevê ainda queda de até US$ 253 bilhões na receita das companhias aéreas
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

O número de passageiros internacionais pode cair em até 1,2 bilhão até setembro deste ano por causa da pandemia do novo coronavírus, apontou nesta quarta (22) a Icao (Organização da Aviação Civil Internacional). A projeção considera o ritmo de viagens anterior à pandemia.

As estimativas mostram ainda que a capacidade de viagens internacionais podem cair em até dois terços em relação a previsão inicial para os três primeiros trimestres do ano. Como consequência, a receita das companhias aéreas deve cair entre US$ 160 bilhões e US$ 253 bilhões entre janeiro e setembro deste ano.

A Europa e a Ásia-Pacífico serão as regiões mais afetadas pelos impactos do novo coronavírus na receita das companhias. Em seguida aparece a América do Norte. A Europa também aparece na lista das regiões mais impactadas pela queda no fluxo de passageiros, seguida pela Ásia-Pacífico.

Número de passageiros cairá até 1,2 bilhão neste ano
Número de passageiros internacionais pode cair em até 1,2 bilhão até setembro deste ano por causa da pandemia do novo coronavírus (Foto: Wikimedia Commons)

Recuperação no turismo

Apesar da queda brusca no número de viagens, a a OMT (Organização Mundial do Turismo) avalia que a demanda por turismo será uma das responsáveis pela recuperação econômica após o fim da pandemia.

De acordo com a OMT, o turismo mundial pode amargar perdas de US$ 30 bilhões a US$ 50 bilhões em gastos dos turistas. A quantia representa uma queda de 20% a 30% no movimento de turistas esperados para o ano.

Para justificar a expectativa otimista, georgiano Zurab Pololikashvili, secretário-geral da OMT, lembrou que o setor foi resiliente em períodos como o posterior à crise econômica de 2008-2009.

“Nosso setor irá fornecer os empregos necessários para as pessoas se recuperarem e impulsionará o crescimento econômico”, afirmou durante uma entrevista em março.

Tags: