EUA deve reduzir ‘linha dura’ com China, diz expulsa do partido comunista

Professora diz temer resultados de embate direto entre as potências; no PC chinês, "democracia não existe", disse
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Uma professora expulsa do Partido Comunista chinês, Cai Xia, recomendou no último dia 17 que os Estados Unidos reduzam a “postura linha-dura” em relação a Beijing.

Em entrevista à CNN, no domingo (23), Xia afirmou temer as possíveis consequências em um embate direto entre as duas potências. “A relação entre a China e os Estados Unidos não é um conflito entre os dois povos, mas uma disputa entre dois sistemas e duas ideologias”, disse Cai.

Os comentários são combustível para a acelerada tensão entre os países. As duas maiores economias do mundo discordam em quase todos os aspectos das relações bilaterais – do comércio aos direitos humanos.

EUA deve reduzir "linha dura" com China, sugere expulsa do partido comunista
Encontro entre o presidente dos EUA, Donald Trump, e o presidente chinês, Xi Jinping, em Osaka, no Japão, em junho de 2019 (Foto: The White House/Shealah Craighead)

Segundo a ex-professora, além de confiscar livros, o atual sistema político da China também colabora para uma censura autoimposta pelos cidadãos e funcionários públicos. “Poucos se atrevem a falar publicamente”, relatou.

De acordo com Cai, o autoritarismo aumentou de forma acentuada após a ascensão do presidente chinês, Xi Jinping, ao poder, em 2012. O seu antecessor, Hu Jintao, era mais tolerante com as dissidências, relatou.

Desde que Xi assumiu o poder, a democracia intrapartidária não existe. “A informação transmitida de cima é falsa e não há mais tomada de decisão científica ou democrática”, disse Cai.

Descontentamento generalizado

Segundo ela, o objetivo de Xi é substituir o sistema democrático do mundo por um “modelo próprio de governo”. Por isso, há um descontentamento generalizado dentro do partido. Ainda assim, a expectativa por uma oposição organizada é quase nula.

A ex-militante do partido comunista está nos EUA desde o final do ano passado e foi impossibilitada de retornar à China por causa da pandemia. Questionada, ela não dá detalhes sobre a sua rotina para “evitar perseguições”.

Desde que foi expulsa da única grande agremiação política da China, Cai teve os seus auxílios financeiros e aposentadoria cortados.

Tags: