Aumenta tensão entre China e Índia na fronteira do Himalaia

Após invasão pelos chineses de área sob litígio no Himalaia, Índia tem feito protestos; EUA oferecem mediação
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Há cada vez mais soldados e máquinas de China e Índia próximos na região de Ladakh, fronteira entre os dois países no Himalaia, ilustrando uma escalada nas tensões bilaterais. As informações são da agência de notícias Associated Press.

O impasse começou em maio, quando um grande número de soldados chineses entrou no território, controlado pela Índia, por três localidades. Foram instaladas barracas e postos, segundo as autoridades indianas.

Os soldados de Beijing teriam ignorado as advertências verbais feitas pela Índia, o que desencadeou confrontos físicos ao longo do lago Pangong. Outro conflito já teria ocorrido no início deste mês, no estado indiano de Sikkim.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China afirmou que a situação entre os dois países era, em geral, estável. A comunicação tem sido feita por meio de soldados e das embaixadas. Os Estados Unidos propuseram mediar a situação entre os dois países.

Aumenta tensão entre China e Índia na fronteira do Himalaia
Região onde fica o lago Pangong é palco de conflito entre China e Índia (Foto: Wikimedia Commons)

Impasse

Houve uma guerra em 1962 pela região de Ladakh, disputa que cobre quase 3,5 mil quilômetros de fronteira e batizada de Linha de Controle Atual.

O ponto mais grave do conflito é a alegação chinesa de que o estado de Arunachal Pradesh, no nordeste indiano, seria parte do Tibete. A Índia rejeita o argumento.

Os chineses reivindicam ainda outros 90 mil quilômetros quadrados de território no nordeste da Índia. Já Nova Délhi aponta que a China ocupa 38 mil quilômetros quadrados de seu território no planalto de Aksai Chin, no Himalaia.

A Índia declarou a região de Ladakh como território nacional em agosto de 2019, após separar a questão da antiga disputa pela Caxemira. A China estava entre os poucos países que condenaram o ato, levantando a questão em fóruns internacionais, como o Conselho de Segurança da ONU.

Tags: