Paquistão e Afeganistão reafirmam apoio mútuo a processo de paz

Visita de comitiva afegã a Islamabad terminou com promessas de maior colaboração política e menos militarismo
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

No Paquistão desde segunda (28), o oficial afegão Abdullah Abdullah encerrou sua visita nesta quarta (30) com o comprometimento do presidente paquistanês, Arif Alvi, em apoiar um processo de paz mútuo entre os dois países.

No Twitter, Arif afirmou que a única solução para os conflitos no Afeganistão é através de um acordo político, e não com soluções militares.

A fronteira porosa entre Paquistão e Afeganistão é dominada por extremistas islâmicos, a maioria em atividades terroristas.

Paquistão e Afeganistão reafirmam apoio mútuo a processo de paz
O oficial de paz do Afeganistão, Abdullah Abdullah (esq.) e o presidente do Paquistão, Arif Alvi, em visita a Islamabad em 30 de setembro de 2020 (Foto: Twitter/Abdullah Abdullah)

Na terça (29), Abdullah cumprimentou o premiê Imran Khan e o agradeceu por apoiar as tratativas de paz intra-afegãs.

De acordo com a mídia estatal, os dois líderes se comprometeram em buscar por um “dividendo de paz” para conter a violência e fomentar o crescimento econômico da região.

As relações entre os dois países se tornaram mais belicosas depois que o Afeganistão e aliados internacionais passaram a acusar o Paquistão de apoiar o Taleban. Em troca, o Paquistão conseguiria limitar a influência da Índia, sua rival, em terras afegãs.

Islamabad, por sua vez, afirma que Cabul permite que rebeldes anti-Paquistão planejem ataques contra o país em solo afegão. Os dois países negam as acusações.

Na semana passada, o representante dos Estados Unidos no Afeganistão, Zalmay Khalilzad, afirmou à Al-Jazeera que os EUA estudam um acordo entre Islamabad e Cabul. O objetivo é evitar que os dois territórios sejam utilizados como zona de ataque mútuo.

Enquanto isso, Cabul dedica-se ao seu acordo intra-afegão com o Taleban. Em meio às esperanças para um acordo que determine o cessar-fogo definitivo, ataques mútuos persistem no país.

Tags: