Com apoio em jogo, visita de Paquistão a Arábia Saudita busca acalmar ânimos

Relação esfriou depois que ministro do Paquistão pediu liderança do reino saudita no impasse da Caxemira
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

A expectativa para o encontro deste domingo (16) entre o chefe do exército do Paquistão e autoridades da Arábia Saudita é a de ‘acalmar a tensão’ entre os dois países, de acordo com a Reuters.

O problema teria começado após um comentário inédito, do ministro das Relações Exteriores do Paquistão, Shah Mahmood Qureshi. O chanceler cobrou de Riad mais “apoio aos interesses de Islamabad” no impasse da Caxemira., região no norte do país disputada com a Índia

No encontro, o general paquistanês Qamar Javed Bajwa busca apaziguar o desconforto causado no último dia 5 entre os aliados. A data marcou o primeiro ano da revogação da semiautonomia da Caxemira pelos indianos.

Com apoio em jogo, visita de Paquistão a Arábia Saudita busca acalmar ânimos
O general Qamar Javed Bajwa escuta um oficial americano durante visita a Arlington, no estado estadunidense de Virginia, em julho de 2019 (Foto: Elizabeth Fraser/US Army)

O território do Himalaia é dividido entre o Paquistão e a Índia, mas reivindicado em sua totalidade por ambos desde a criação dos dois países, no final dos anos 1940.

No mesmo dia, a mídia paquistanesa reportou que o governo foi forçado a devolver US$ 1 bilhão de um empréstimos concedidos pela Arábia Saudita.

Em 2018, o Paquistão recebeu um empréstimo de US$ 6,2 bilhões do país aliado para tentar contornar a crise econômica e de energia do país.

A importação de petróleo da Arábia Saudita também já não vem sendo efetuada desde maio, disseram as emissoras locais.

O primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, já havia sido criticado por “servir de motorista” ao príncipe herdeiro, Mohammad bin Salman. A visita de MBS a Islamabad ocorreu em fevereiro de 2019.

De acordo com a Radio Free Europe, mais de um quarto dos dez milhões de expatriados paquistaneses trabalham hoje na Arábia Saudita.

Tags: